Alberto Menache, diretor presidente da Linx.

A Linx fechou dois negócios de aquisição com empresas atuantes na área de sistemas de gestão para postos de combustíveis e lojas de conveniência, em transações que podem totalizar até R$ 42,5 milhões.

Uma delas é a LZT, empresa de Blumenau especialzada em ERP para postos e redes de combustíveis com 11 anos de atuação e faturamento de R$ 7,6 milhões. 

A outra é a Ionics, localizada em Florianópolis, atuante a 27 anos e uma das pioneiras no setor de automação e gerenciamento do abastecimento em postos de combustível, da qual a Linx adquiriu apenas o software de gestão SSG Premium. A companhia faturou  R$ 5,5 milhões no ano passado.

“Impulsionado pelo forte consumo da nova classe média e pelo aumento nas vendas de veículos, o setor de postos e lojas de conveniência é sem dúvida um nicho com enorme potencial”, explica Alberto Menache, diretor presidente da Linx.

Em março, a Linx já havia adquirido os ativos da Seller Corp, que tem sedes em Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro, por R$ 10,1 milhões. A Seller tem sistemas de gestão on premise e em cloud para a vertical de postos de combustíveis e lojas de conveniência.

Segundo dados da Fecombustíveis (Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes), o faturamento com a venda de combustíveis, em 2012, registrou alta de 10%, totalizando R$ 244,4 bilhões. Com isso, o setor ampliou sua participação no PIB brasileiro para 5,55%.

Já a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) indica que, ao final de 2011, havia 39.027 postos de combustíveis operando no Brasil.

Com a LZT e Ionics, sobe para 14 o número de aquisições feitas pela Linx nos últimos cinco anos.

Desde 2008, quando adquiriu a Quadrant, a companhia paulista não parou mais: com aporte do BNDES, comprou CSI, Inter Commerce e Formata.

Depois, vieram Dia System, CNP, a joinvillense Microvix, General Atlantic, Spress e a gaúcha CustomBS. 

Em 8 de fevereiro, a Linx abriu capital ao entrar no Novo Mercado da BM&FBovespa, segmento de mais alto padrão de Governança Corporativa, captando R$ 528 milhões. 80% dos recursos estão sendo destinados à compra de empresas que agreguem valor e complementem o portfólio de produtos e serviços que a empresa oferece ao varejo.

Além da BNDESPar, a Linx tem a parceria do fundo de investimentos norte-americano e líder global de growth equity, o General Atlantic (GA) do qual recebeu um aporte não revelado em 2012.

A Linx conta com mais de 1,5 mil colaboradores, distribuídos na matriz, filiais e escritórios em Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Jaboticabal, São Carlos e Montenegro, além de canais de distribuição no Brasil e no exterior. A carteira de atendidos traz mais de 12,7 mil varejistas.

A Linx fechou o terceiro trimestre com um lucro líquido de R$ 15 milhões, um crescimento de 74,2% se comparado aos R$ 8,6 milhões registrados no mesmo período do ano passado. 

A receita operacional líquida aumentou 28,3%, ou seja, R$ 76,9 milhões ante aos R$ 59,9 milhões do 3T12. 

A geração de caixa pelo Ebitda chegou a R$ 21,9 milhões, 22,8% superior aos R$ 17,8 milhões obtidos no ano anterior.

Enquanto isso, a receita recorrente aumentou 29,2%, atingindo R$ 66,1 milhões.