DADOS

Qual é o nível de maturidade informacional da sua empresa?

25/11/2021 10:04

Existe um choque entre o desejo dos gestores versus a realidade dos analistas.

Foto: divulgação

Tamanho da fonte: -A+A

Depois de passar cerca de 10 anos liderando áreas de dados em grandes corporações, protagonizar processos de transformação para modernizar e melhorar o nível de contribuição e entrega das áreas, e mais cinco anos como consultor atendendo desde startups a grandes empresas multinacionais, certamente muitas experiências podem ser compartilhadas.

Neste sentido, alavancar o uso de dados dentro de uma organização, especialmente nas de grande porte, não é uma tarefa simples. Lembrando que, aqui, estamos falando de impulsionar o uso de dados de forma corporativa, ou seja, para toda a empresa de forma orquestrada (não estamos falando de iniciativas isoladas chamadas de “departamentais” que, geralmente, são conduzidas por um departamento ou até um indivíduo apenas). Muitas vezes, tais iniciativas são vistas como solução para resolver apenas um assunto ou problema específico de forma pontual.

Isto posto, para alavancar o uso de dados de forma corporativa e orquestrada dentro de uma organização, antes de mais nada, é preciso mergulhar na realidade das áreas de negócios, ou pelo menos nas principais delas com o objetivo de entender as suas reais “dores”, necessidades e até mesmo novas oportunidades em potencial que poderiam ser “destravadas” com uma melhor organização e uso dos dados.

E é aqui que são encontradas as primeiras situações comuns na maioria das empresas avaliadas, o choque do “Desejo vs. Realidade”.

1. Desejo comum da liderança: ser “data-driven”, entrar na onda do Analytics e fazer modelos preditivos ou projetos de Inteligência Artificial fazem parte da “wish-list” (lista de desejos) de 100% dos executivos e alta liderança;

2. Realidade comum dos analistas: para responder uma pergunta básica, como, por exemplo, “qual é a quantidade de clientes novos no último período?”, um esforço quase que heroico é feito. Partindo de coletas de dados manuais, cruzamentos e muito "massageamento" dos dados usando planilhas básicas para então conseguir chegar na resposta estática, ou seja, precisando de uma atualização na semana seguinte, repete-se todo o ciclo, sendo bem comum essas perguntas serem feitas com prazo de resposta até o horário da reunião seguinte e, mais  do que isso, após toda a dolorosa jornada para se conseguir tais respostas, ainda fica a desconfiança sobre a confiabilidade dos números, depois de tanto "Ctrl+C" e "Crtl+V".

Descompasso no tempo para análise

E assim surge a primeira reflexão que leva ao entendimento de que, antes do desejado Analytics ou da contratação de um mago Cientista de Dados, é preciso sanar as “dores” e necessidades básicas de dados sentidas pelos analistas das áreas de negócios que, em decorrência de não terem os dados que necessitam preparados e disponíveis para fazerem análises, acabam criando a assumindo atividades operacionais de manipulação a sustentação dos seus pequenos silos.

É neste contexto que surge outra frase muito comum: “gastamos a maior parte do tempo no processo de descoberta, coleta e preparação dos dados, e sobra pouco ou nenhum tempo para analisá-los”.

Como conclusão, e baseado na amostra das empresas avaliadas nos últimos cinco anos, antes de definir apenas o “onde” se quer chegar, contratar Cientistas de Dados e fazer projetos modernos de inteligência artificial, vale a pena entender as “dores” e necessidades básicas sentidas pelas pessoas no dia a dia e que prejudicam, muitas vezes, a eficiência dos processos, além de ocasionarem um custo elevado que muitas vezes nem é percebido.

Na maior parte das vezes, “tirar a água do porão”, ou seja, resolver problemas básicos não é o tipo de esforço que rende “cases” muito atraentes. Por outro lado, é o que garante a efetividade e resultados mais consistentes. 

*Marcos Palmeiro é Founder da DataStrategy, empresa especializada em serviços de dados. Especialista em estratégia e governança de dados com mais de 20 anos de experiência.

Veja também

EXPLICADO
Faurgs: pau no app foi ataque hacker

Fundação acredita em DDoS contra aplicativo hospedado na Azure.

NOMES
H2O.ai contrata comercial no Brasil

Startup de IA americana chama executivos experientes para o seu time local.

COMPLETO
Acelen fecha mega projeto SAP

Nova dona da refinaria baiana da Petrobras fecha pacotão com a SAP.

CONTRATAÇÃO
Ex-Totvs assume como VP da Afya

Com 20 anos de experiência, Lelio Souza também passou por empresas como Intelie e Accenture.

NUVEM
Cielo escolhe AWS

Gigante de nuvem fecha novo grande nome, depois de levar o Itaú.

BOLSA
B3 verifica identidades com Nextcode

Processo é realizado para proteger dados na consulta permitida pela LGPD.