SAP compra grandona do Supply Chain Management. Foto: Flickr.com/thomashawk

A SAP anuncia a compra da SmartOps, empresa de software para otimização de níveis de estoque e serviços que atende a clientes como Cisco, RIM, Kellogs, Pfizer, Whirpool e outros.

A transação deve ser concluída no primeiro trimestre de 2013, sujeita às condições habituais de negociação, e os funcionários da SmartOps se unirão à SAP.

As soluções de gestão da cadeia de suprimento em tempo real da companhia adquirida serão agregadas à plataforma Hana, com recursos para gestão de estoque, demanda, lead time e disponibilidade de produto, auxiliando em processos logísticos.

A meta é que as ferramentas agreguem recursos de processamento de grandes volumes de dados em tempo real, além de expandir as soluções de Vendas e Operações SCM da SAP, como a aplicação analítica SAP Sales and Operations Planning.

O SAP Demand Signal Management e o Advanced Planning & Optimization (SAP APO), tudo powered by Hana, também serão complementados pela compra.

“A nova solução analítica baseada na nuvem Enterprise Demand Sensing da SmartOps vai aprimorar o SAP Demand Signal Management, permitindo gerenciar as cadeias de suprimentos de forma preditiva e precisa”, explica a SAP em comunciado.

Fundada em 2000, a SmartOps lançou seu primeiro produto em 2001 e é parceira comercial da SAP desde 2006.
Nos últimos quatro anos, a companhia fez parte do programa para extensões de soluções da SAP.

Conforme analistas, o mercado de software para SCM tem registrado crescimento anual de 7,7%, devendo superar US$ 9 bilhões até o final de 2013.

Abdul Razack, vice-presidente e chefe de Engajamento de Clientes e Projetos Estratégicos da SAP, explica que a aquisição da SmartOps torna a SAP capaz de acelerar o desempenho de suas soluções para esta área.

“Juntar-se à SAP é estratégico e empolgante. Tendo já abraçado a necessidade tanto de soluções locais quanto baseadas na nuvem, a perspectiva de desenvolvimento delas sobre Hana vai nos levar a novos patamares de inovação tecnológica", completa Martin Barkman, presidente e CEO da SmartOps.