A Olivia foi fundada em 2016 nos Estados Unidos por dois brasileiros. Foto: Divulgação.

O Fundo BR Startups fez um aporte na fintech Olivia, plataforma financeira que usa inteligência artificial e economia comportamental para gerenciar finanças pessoais.

A organização de investimento tem o Banco Votorantim como cotista âncora para startups do setor financeiro, a Microsoft como investidora fundadora e a MSW Capital como gestora, 

Fundada em 2016 nos Estados Unidos pelos brasileiros Cristiano Oliveira e Lucas Moraes, a Olivia foi lançada no mercado há pouco mais de um ano. Nesse período, interagiu com quase 500 mil pessoas. 

Nos EUA, a Olívia opera integrada a 18 mil instituições financeiras, desde grandes bancos até cooperativas de crédito.

“A proposta de trazer a Olivia para o Brasil existe desde a fundação da empresa. Agora, com o apoio do Fundo BR Startups e, principalmente, com os grandes parceiros que compõe o fundo, estamos nos preparando para oferecer aos brasileiros uma ferramenta que revolucionará a maneira como as pessoas lidam com dinheiro”, explica Lucas Moraes, co-fundador da Olivia. 

A plataforma usa inteligência artificial para entender o perfil, os hábitos de consumo e as transações financeiras das pessoas. Uma vez mapeado o estilo e momento de vida delas, a Olívia passa a procurar formas de gastar (ou investir) melhor o dinheiro. 

O usuário médio da plataforma começa economizando 0.8% da sua renda por mês. O valor passa para 5.7% em 60 dias.

O BR Startups, que já investiu em 15 startups, também conta com BB Seguros, Monsanto (atualmente Bayer), Age-Rio e Grupo Algar como investidores.

“O investimento em empresas como a Olivia é um dos alicerces do fundo BR Startups. Queremos apoiar a jornada de empreendedorismo, com foco em negócios disruptivos, que reflitam a tendência de transformação digital”, afirma Franklin Luzes, COO da Microsoft Participações.

O fundo aplica entre R$ 500 mil e R$ 3 milhões e fornece suporte e mentoria dos executivos para ajudar startups a realizarem a conexão entre a fase de aceleração/investimento anjo e uma rodada de investimento Série A. Desde sua criação, em 2014, a iniciativa já captou R$ 32 milhões e 15 startups receberam investimentos.