A Embraer será parceira do Uber Elevate Network. Imagem: Divulgação.

A Embraer firmou um acordo com o Uber para explorar o conceito que a empresa apresenta como Uber Elevate Network - focado no desenvolvimento e implantação de pequenos veículos elétricos com decolagem e aterrissagem vertical (VTOLs, na sigla em inglês) para deslocamentos curtos no espaço urbano. 

O anúncio foi feito em Dallas, Texas, na sessão de abertura do Uber Elevate Summit.

A parceria preliminar é um projeto gerado pelo Centro de Inovação de Negócios da Embraer. Anunciado no mês passado, o Centro tem sede em Melbourne, na Flórida, e equipes no Vale do Silício e em Boston.

“Essa é uma oportunidade única para ajudarmos a complementar o conhecimento de transporte aéreo dessa que é uma empresa revolucionária e visionária no transporte terrestre. No exercício dessa parceria, vamos desenvolver novas tecnologias, novos produtos e novos modelos de negócios que podem gerar oportunidades para a Embraer no futuro”, afirma Paulo Cesar de Souza e Silva, CEO da Embraer. 

A meta, de acordo com o Estado de S. Paulo, é que os primeiros voos experimentais ocorram em 2020, com a operação comercial prevista para 2023.

A empresa brasileira pretende criar todo o projeto da aeronave, fabricá-la e ficar responsável pela manutenção, além do controle aéreo. O Uber ficará responsável pelo sistema que receberá os pedidos de deslocamento dos passageiros. 

O projeto da Uber também tem parceria com outras empresas: Aurora Flight Sciences (americana de drones e helicópteros), Pipistrel Aircraft (fabricante de aviões de pequeno porte da Eslovênia), Mooney (também de aviões) e Bell Helicopter (de helicópteros militares). O Estadão destaca que a brasileira é a de maior porte.

“A Embraer é a maior fabricante de jatos comerciais de até 130 assentos e um dos parceiros mais experientes da Uber neste segmento. Seu conhecimento de certificação de aeronaves com tecnologia fly-by-wire embarcadas e sua confiança de que eles podem igualmente tornar essa tecnologia acessível a aeronaves muito menores é um ingrediente essencial para o nosso sucesso”, ressalta Mark Moore, diretor de Engenharia de Aviação da Uber.