LEIS

Grandes de TI defendem gays na publicidade

26/04/2021 10:41

Microsoft, IBM e Intel se manifestaram por meio do Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+.

Projeto quer banir alusão a "preferências sexuais e movimentos sobre diversidade sexual". Foto: Pexels.

Tamanho da fonte: -A+A

Microsoft, IBM e Intel se manifestaram contra um projeto de lei em tramitação na Assembleia Legislativa de São Paulo que pretende proibir a veiculação de propagandas no estado com a presença de gays. 

O projeto de lei 504 de 2020 é de autoria da deputada Marta Costa (PSD) prevê a proibição de publicidade que contenha “alusão a preferências sexuais e movimentos sobre diversidade sexual relacionado a crianças” e deve ir a votação nesta semana.

A manifestação das multinacionais de TI se deu por meio do Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+, uma organização que reúne pesos pesados da economia nacional, como Itaú, Via Varejo e Riachuelo, entre outras.

Outras grandes empresas de TI como Dell e SAP não são apoiadores, mas assinaram a  Carta Compromisso do Fórum de Empresas e Direitos LGBT ainda em 2015.

“Entendemos que a PL 504/20 representa uma proposta de prática danosa aos direitos humanos e uma influência inadequada à garantia constitucional de liberdade de expressão e liberdade econômica”, afirma um comunicado divulgado pela entidade.

O texto agrega que a publicidade defendida pelo Fórum tem “apreço pela diversidade como fonte de riqueza, essencial para o desenvolvimento sustentável, portanto, ela reconhece e respeita a dignidade das pessoas LGBTI+” e que deve “enfrentar estereótipos, preconceitos e práticas de discriminação que ferem nossas famílias, crianças, adolescentes e toda a sociedade”.

Marta Costa é deputada estadual em segundo mandato e foi candidata à vice-prefeita na chapa de Andrea Matarazzo.

Ela integra a Assembleia de Deus, é coordenadora do departamento infantil do Ministério do Belém, e filha do pastor José Wellington Bezerra da Costa, presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil.

No texto ela alega o desejo de acabar com propagandas que geram "desconforto emocional a inúmeras famílias, além de estabelecer prática não adequada a crianças".

A deputada Janaína Paschoal (PSL) acrescentou uma emenda ao texto, alterando a expressão “preferências sexuais” por “gênero e orientação sexual". Ela incluiu a preocupação com os adolescentes.

No Brasil, a ética publicitária já é fiscalizada em nível federal desde 1980 pelo Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar).

A Associação Brasileira de Agências de Publicidade (ABAP), formadas por agências como Young & Rubicam, Ogilvy, WMcCann e Publicis, emitiu uma nota em que "manifesta o seu repúdio ao Projeto de Lei que pretende impor discriminação à liberdade de expressão comercial e ao direito de orientação sexual".

Veja também

DEBATES
Carlos Bolsonaro dá seu pitaco sobre a LGPD

Debate na Câmara de Vereadores do Rio sobre lei de dados vira polêmica. Entenda o fascinante caso.

SITES
KingHost ajuda bar drag de Porto Alegre

Empresa cria uma presença virtual para bar com shows de drags na capital gaúcha.

INCLUSÃO
Dell quer mais mulheres na liderança no Brasil

Cifra deve chegar a 40% até 2030. Comitê foi criado para liderar iniciativas de diversidade.

TENDÊNCIA
Mercado Eletrônico tem iniciativa de diversidade

Movimentação de grandes multinacionais começa a refletir também nas brasileiras.

TENDÊNCIA
Vivo apoia igualdade racial

Operadora acaba de entrar na Coalizão Empresarial a favor da Equidade Racial e de Gênero.

RH
SAP avança em igualdade

A SAP Brasil acaba de avançar um degrau na certificação de igualdade de gênero no trabalho EDGE.

RECURSOS HUMANOS
Grupo debate inclusão LGBT no RS

SAP, Dell e ADP acabam de realizar a primeira reunião do Pride Connection RS.

RECURSOS HUMANOS
Conheça o manual da ThoughtWorks

Empresa é referência em inclusão.