Thales Janguiê, João Kepler e Janguiê Diniz. Foto: divulgação.

A Bossanova Investimentos, micro venture capital que investe em startups em estágio pré-seed, anunciou a chegada do empresário Janguiê Diniz, fundador do grupo Ser Educacional, ao seu quadro de acionistas, com aquisição de 25% da empresa.

O valor da transação não foi revelado. 

Diniz fundou, em 2003, a Faculdade Maurício de Nassau, embrião do grupo Ser Educacional — hoje presente nas regiões Norte, Nordeste e Sudeste do Brasil. 

Listada na Bolsa de Valores desde 2013, a rede tem mais de 152 mil alunos nas universidades Unama, Uninassau, Uninabuco, UNG, Univeritas e Uninorte.

Além de fundador, o executivo ocupa o cargo de presidente do conselho de administração do grupo.

Em 2014, o empresário criou a Epitychia, seu family office focado em private equity, venture capital e real estate, sediado em São Paulo. Através dele, já investiu em empresas como a Vão Livre, Agência Um, Edulabzz, Goowit, Be Academy, Live Arena, Defender, Kiduca e Great.

O executivo também é fundador e presidente do Instituto Êxito de Empreendedorismo, organização sem fins lucrativos que oferta cursos on-line gratuitos.

Diniz é mestre e doutor em direito pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), foi juiz federal do trabalho, procurador do Ministério Público da União e professor da UFPE. 

“É um empresário de grande experiência e sucesso que veio para nos agregar com sua visão e conhecimento no mercado de capitais, por já possuir uma empresa listada na Bolsa de Valores. Estamos muito contentes com essa adição que vai contribuir para o crescimento da Bossanova e do ecossistema brasileiro de startups”, afirma João Kepler, CEO da investidora.

A partir desta segunda-feira, 26, Diniz passa a atuar ativamente na Bossanova, colaborando na sua gestão e estratégia empresarial. Thales Janguiê, seu filho, será diretor de novos negócios da micro venture capital.

“É muito bom ver como minha relação com a Bossanova vem sendo construída e se fortalecendo ao longo dos últimos anos, sempre baseada na confiança e parceria, e que culminou nessa sociedade. Espero colaborar com o crescimento de todo o grupo e também ajudar no estímulo às startups brasileiras, pois sabemos o potencial que o nosso país tem nesse campo”, avalia o investidor.

A Bossanova foi criada em 2015 por meio da união do portfólio dos investidores anjos João Kepler e Pierre Schurmann. Em 2017, o Grupo BMG entrou na sociedade. Dois anos depois, foi a vez do empresário Thiago Oliveira e, em março deste ano, Thiago Nigro tornou-se sócio através do Grupo Primo.

Em seu portfólio, constam mais de 550 startups, como RankMyApp, Smarthint, Kinvo, Hand Talk e Hallo, além de exits como dLieve, Agenda Edu, Melhor Envio e Pedala.