Jeferson Machado, superintendente da Tecnocred, diz que as cooperativas de crédito podem ficar mais competitivas. Foto: divulgação

A Tecnocred, fornecedora de soluções tecnológicas para cooperativas de crédito, acaba de lançar um serviço de cartão de crédito próprio pelas bandeiras Master e Visa.

Ainda em fase piloto, a novidade entrará em operação primeiro no Rio Grande do Sul para, posteriormente, ser implantado em outros estados do Brasil.

Conforme Jeferson Machado, superintendente da Tecnocred, o sistema dá independência às cooperativas de crédito já que não é necessário depender dos bancos.

O executivo diz que os clientes que adotarem o sistema terão um poder de escolha do tipo de cartão de crédito, pois a administração dos recursos financeiros acontece diretamente nas cooperativas sem o vínculo com os bancos e suas taxas.

“Com a redução da taxa Selic, os bancos brasileiros tornaram-se concorrentes das cooperativas. Por isso, como não temos uma bandeira própria, surgiu a necessidade de trazer mais resultados para as cooperativas, tornando-as mais competitivas e rentáveis”, afirma.

Recentemente, o Copom do Banco Central decidiu cortar a taxa básica de juros em 0,25 ponto porcentual – de 7,5% para 7,25% ao ano. Foi a décima vez consecutiva que o BC optou pela redução dos juros. Menores taxas têm sido uma das prioridades da presidente Dilma Rousseff, que considera o barateamento dos juros no país uma questão chave para o crescimento econômico.

De acordo com Machado, as quedas tem reduzido as margens de lucros dos bancos, forçando eles a irem em busca dos clientes das cooperativas de crédito, que tradicionalmente já desfrutavam de condições melhores.

A Tecnocred foi criada em 2003 a partir do trabalho realizado dentro do departamento de TI da Unicred Central do Rio Grande do Sul, instituição cooperativa de crédito oriunda da área da saúde que disponibilizava serviços bancários para os médicos de diferentes Unimeds.

Desde então, o foco da empresa se ampliou para o mercado de cooperativas de crédito como um todo, que não tem fornecedores com expertise em um mercado regulado como o financeiro, mas com particularidades administrativas características das cooperativas.

A empresa não revela os números de investimento para o produto específico de cartões de crédito. Conforme Machado, os valores de serviço seguem a filosofia de fazer mais com menos. “Temos o DNA cooperativo. Respeitamos o tamanho dos nossos clientes, com preços adequados”, garante.

O faturamento deste ano deve alcançar os R$ 15 milhões – em 2011, foi de R$ 12 milhões. Para 2013, a empresa espera-se um crescimento de até 30%.

Atualmente com 120 colaboradores, atua na prestação de serviços de organização do sistema financeiro, com softwares para terminais de caixa e internet banking, por exemplo. A empresa conta com dois data centers em Porto Alegre para atender 72 cooperativas e um total de 250 agências.

Os clientes estão nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Goias, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul.

Através de operações de backoffice, Machado diz que diariamente a equipe faz mais de 200 processo de importação e de compensação para as cooperativas. A Tecnocred também é uma PSTI (Provedores de Serviços de Tecnologia da Informação) autorizada do Banco Central.