Pat Gelsinger. Foto: divulgação.

A VMware anunciou nesta terça-feira, 26, um corte de aproximadamente 800 empregos em sua operação global, assim como a saída de seu CFO e COO, Jonathan Chadwick.

Os cortes fazem parte de um plano de reestruturação de seu quadro profissional, com a intenção de reduzir cerca de US$ 65 milhões em custos operacionais no primeiro semestre de 2016.

Segundo destacou a companhia em seu site, o plano é reinvestir estes valores economizados em áreas técnicas e de suporte para produtos emergentes. A companhia não deu detalhes de quais áreas da empresa sofrerá cortes.

Quanto à saída de Chadwick, a VMware divulgou em nota oficial que o profissional deixou a companhia para perseguir projetos pessoais na área de consultoria. Para assumir as funções do ex-funcionário, a empresa designou Zane Rowe, ex-CFO da EMC, empresa que controla a marca VMware e que foi recentemente comprada pela Dell.

Os anúncios vieram no encalço da divulgação dos resultados do quarto trimestre de 2015, assim como o relatório financeiro final do ano, que apontou bons números para a companhia.

Em 2015 a multinacional registrou um faturamento de US$ 6,57 bilhões, crescimento de 9% sobre o ano anterior. O lucro líquido da empresa foi de US$ 997 milhões, crescimento de 15% sobre 2014.

O crescimento foi baseado principalmente na venda de licenças de software, em um total de US$ 2,72 bilhões, crescimento de 5% sobre o mesmo período no ano anterior.

Outro ponto de crescimento citado pela VMware foi a divisão de computação para usuário final, que aumentou cerca de 30% e chegou a uma receita de US$ 1,2 bilhão em 2015.

Segundo o CEO da VMware, Pat Gelsinger, o último trimestre de 2015 foi um final sólido para o bom ano que a empresa teve.

"Estamos satisfeitos com nosso crescimento no portfólio de produtos e negócios emergentes, como computação para usuário final e Virtual SAN. Todos estes setores tiveram ganhos, sublinhando o progresso que queremos continuar em 2016", explicou o CEO.