Guedes teria convencido Maia de que a medida permite o respiro das contas públicas. Foto: Carolina Antunes/PR

O Ministério da Economia está estudando a redução temporária de 30% dos salários de funcionários públicos que recebam mais de R$ 10 mil por conta da crise provocada pela pandemia de coronavírus.

Segundo a revista Veja, a medida, que duraria três meses, liberaria mais de R$ 130 bilhões para distribuir, às pessoas em condição de maior vulnerabilidade, uma quantia entre R$ 300 e R$ 400.

Essa projeção foi pensada para um contingente de 55 milhões de pessoas, somando os  desempregados e aqueles que têm condições de trabalho informal.

Ainda de acordo com a publicação, Paulo Guedes, ministro da economia, levou a ideia a Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, que teria visto a proposta com bons olhos. 

Guedes teria convencido Maia de que a medida permite o respiro das contas públicas para quando a crise se acalmar e a atividade econômica for restabelecida.

No último domingo, 22, o governo havia publicado uma MP que autorizava as empresas a suspenderem contratos de trabalho pelo prazo de até quatro meses, mas recuou no dia seguinte após a repercussão negativa da medida.

Na noite da última quinta-feira, 26, a câmara aprovou um projeto que prevê o pagamento de R$ 600 a trabalhadores informais por três meses. O texto segue para o Senado e deve ser votado na próxima segunda-feira, 30.