Gilcemar Schaffer. Foto: Gláucia Civa

A cooperativa Santa Clara obteve economia de R$ 550 mil com a adoção de práticas de gestão de processos de negócios (BPM, na sigla em inglês) com consultoria da caxiense Otimiza.

O ganho foi gerado em função de queda de 33% no desperdício em processos produtivos, entre outros indicadores de gestão da cooperativa gaúcha que reúne 4,4 mil produtores associados das áreas de laticínios e frigorífico.

Aos cem anos de idade, a cooperativa sediada em Carlos Barbosa e com CDs, supermercados, laticínios e outras estações pelo Rio Grande do Sul e Paraná, já aplicou o projeto de BPM em 11 unidades, nas quais já foram mapeados 237 processos, somando mais de 1 mil atividades.

O projeto iniciou no fim de 2010 e, de lá para cá, foram documentados processos, identificadas cerca de 716 oportunidades de melhorias, utilizando metodologias como PCFC, SCOR, Cobit e ITIL, segundo Gilcemar Schaffer, gerente do projeto na TI da Santa Clara.

Ao lado dele, o consultor da Otimiza e delegado Regional Serra na APMP BR, Francis Soso, apresentou o case da cooperativa no BPM Day RS, nesta sexta-feira, 27, em Porto Alegre.

“Antes do BPM, a organização tinha, basicamente, duas camadas de administração e operação: gestão e execução. Ao ordenar a gestão por processos, não apenas implantamos uma ferramenta, mas também criamos uma nova área, uma camada de analistas”, comentou Soso.

Para tanto, 108 colaboradores participaram de uma série de treinamentos, avaliações e projetos destinados à identificação de perfis, dos quais 27 foram identificados como possíveis analistas de processos e formados.

Com isso, a Santa Clara implementou novas áreas, como escritório de processos e controladoria.

“Hoje, temos mais integração entre as áreas, mais abrangência nas propostas de melhoria, que são pensadas em função dos resultados finais para toda a organização e associados”, destaca Schaffer.