Divulgação

A TIM registrou alta de 30% no lucro líquido no primeiro trimestre de 2012, frente ao mesmo período no ano anterior. O valor foi de R$ 276 milhões.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) atingiu R$ 1,2 bilhão no trimestre, alta de 13,2% ano a ano. O Ebit (lucro antes de juros e impostos) alcançou R$ 512 milhões, 46,4% superior ao registrado no mesmo período de 2011.

Segundo a operadora, o crescimento da receita foi alavancado pela internet móvel e pelo aumento da penetração dos smartphones.

A receita bruta cresceu 21,5%, totalizando R$ 6,6 bilhões no período (a receita liquida atingiu R$ 4,5 bilhões no período, com crescimento de 19,1%), baseada na aceleração dos dados: aumento de 56% na comparação ano a ano, atingindo um patamar de R$ 1 bilhão.

A penetração de smartphones e tablets na base de usuários em um ano passou de 12,6% para 31%.

“Por isso estamos integrando a rede móvel com a fibra: em São Paulo e no Rio já conectamos mais de 1.000 antenas móveis com fibra e estamos trocando equipamentos de acesso de uma velocidade de 21 para 42 Mbps, e transmissão de cobre alugada de apenas 8 Mbps para fibra própria de 100 Mbps. Assim, estamos prontos para o 4G”, explica Luca Luciani, presidente da TIM Brasil.

A base de usuários no Brasil ultrapassa 67 milhões, alta de 27% ano a ano.

E O RS AJUDOU?
No ano passado, a empresa anunciou um investimento de R$ 500 milhões no Rio Grande do Sul, além de uma operação independente dos outros dois estados da região Sul do Brasil, numa tentativa de se fortalecer nesse mercado.

Além do aporte destinado á infraestrutura, a operadora lançou uma promoção exclusiva de tarifas diárias pelos serviços e uma campanha de marketing, que incluia o patrocínio a projetos e times gaúchos.

Deu certo? Nos últimos seis meses, de outubro a março, a empresa teve uma alta de 6,82% na sua participação de mercado no estado, quase um ponto percentual à frente da Oi, quarta colocada, mas ainda em desvantagem para a claro, que tem 31,15% se share na segunda posição, e a Vivo, com 42,38% no mês, segundo a Anatel.