ESTRATÉGIA

Como fica a área de tecnologia da WEG

27/06/2019 12:53

Fabricante de equipamentos elétricos tem uma diretoria foca em TI a outra em negócios digitais.

Linha de produção da WEG. Empresa quer ser mais digital.

Tamanho da fonte: -A+A

A WEG, empresa catarinense que é uma das maiores fabricantes de equipamentos elétricos do mundo, tem uma nova configuração da sua área de tecnologia, com a criação de duas diretorias.

Em nota divulgada a investidores, a empresa comunicou a criação da diretoria de “negócios digitais”, encabeçada por Carlos José Bastos Grillo, um profissional de carreira na empresa, na qual está desde 1997.

Grillo, que já era diretor industrial, passa a ter atribuições mais amplas, incluindo acelerar o desenvolvimento de soluções em softwares, embarcados ou externos aos produtos tradicionais da companhia.

Além disso, o executivo tem a missão transformar em uma linha de negócios o sistema de gerenciamento de processos e de manufatura em tempo real da WEG, baseada em tecnologia de Internet das Coisas, software de monitoramento e análise de dados, a oferta “Indústria 4.0” da WEG. 

A diretoria vai atuar junto a todas as unidades de negócio da companhia para a maior aplicação das novas tecnologias como realidade aumentada e inteligência artificial.

O WEG Motor Scan é um exemplo do tipo de produto que reflete o posicionamento futuro da WEG.

Trata-se de uma nova tecnologia permite que dados sobre o funcionamento dos motores elétricos sejam transmitidos por meio de conexão Bluetooth para os celulares dos encarregados da manutenção ou para equipamentos do tipo gateway, para depois serem retransmitidas para o WEG IoT Platform, onde estão disponíveis várias ferramentas de gestão da planta.

O WEG Motor Scan já monitora diversas aplicações em duas unidades fabris da WEG em Jaraguá do Sul, Santa Catarina, incluindo exaustores, esteiras transportadoras, jatos de granalha, recirculadores de ar, compressores e bombas hidráulicas.

Com base nos dados capturados e enviados para a nuvem, é possível tomar decisões mais rápidas e assertivas principalmente nos casos de manutenção preditiva, garantindo maior eficiência e vida útil do motor.

Segundo a reportagem do Baguete pode averiguar, a área de TI propriamente dita, compreendendo a infraestrutura e aplicações, ficará sob o comando de um diretor de TI, também um profissional da casa: Paulo Sérgio dos Santos, também na WEG desde 1997 e até pouco tempo atrás gerente de sistemas de engenharia.

Fundada em 1961, a WEG é uma empresa global de equipamentos eletroeletrônicos, atuando principalmente no setor de bens de capital com soluções em máquinas elétricas, automação e tintas, para diversos setores, incluindo infraestrutura, siderurgia, papel e celulose, petróleo e gás, mineração, entre muitos outros.

Com operações industriais em 12 países e presença comercial em mais de 135 países, a companhia atingiu faturamento líquido de R$ 9,5 bilhões, em 2017, dos quais 56% foram provenientes das vendas realizados fora do Brasil.

Veja também

RUMOS
Volkswagen coloca as fichas na AWS

Montadora vai conectar 122 fábricas ao redor do mundo em um só sistema.

EXCLUSIVO
Thyssenkrupp unifica centros em Porto Alegre

Com a movimentação, Marcelo Przczynski assumiu o lado TI do centro de serviços.

EXCLUSIVO
Wandair Garcia sai da WEG

Não está claro qual é o futuro do cargo de CIO da companhia.

INDÚSTRIA
WEG dá primeiro passo no IoT

O WEG Motor Scan é uma solução de monitoramento de baixo custo para seus produtos.

ENERGIA
Painel da WEG tem IoT da IBM

WEG está de olho no mercado de energia solar.

FUTURO
Lâmpada inteligente da GE é uma tortura

Processo de reset do produto é interminável. Confira o vídeo se tiver coragem.

INOVAÇÃO
Setor calçadista tem projeto de IoT

A iniciativa receberá um aporte de R$ 1,5 milhão

COISAS
Samora, ex-PTC, tem negócio de IoT

Nova companhia representa soluções da Sensemetrics e da Hexagon.

QUÍMICA
BASF lança e-commerce com Hybris

A ferramenta oferece soluções para a fabricação de calçados, produtos de limpeza, cuidados pessoais e outras

TENDÊNCIA
IDC prevê alta de 21% no mercado de robôs

Os investimentos em 2019 devem ser 73% em robôs industriais.

CARREIRA
Schneider Electric tem novo CFO para América do Sul

Executivo da casa substitui Thiago Zambotti que foi em janeiro para a Honeywell.