Será que vazou mesmo? Foto: reprodução.

O Procon de São Paulo abriu nesta terça-feira, 27, um processo para apurar uma suspeita de vazamento de dados de clientes, envolvendo os bancos Bradesco e Banco do Brasil, e as companhias Moip e Boa Vista Serviços.

De acordo com matéria do jornal Folha de São Paulo, falhas no sistema de segurança destas empresas teriam exposto publicamente dados de milhões de pessoas, uma infração do Código de Defesa do Consumidor.

Segundo a instituição, não há no código um artigo específico sobre vazamento de dados, mas problemas como o levantados pela suspeita podem ser consideradas uma falha na prestação de serviço.

As instituições investigadas terão sete dias - a partir da notificação do Procon - para responder à apuração. Conforme aponta o Valor, caso o Procon comprove alguma irregularidade, as empresas podem ser multadas em até R$ 7 milhões cada.

Em nota, o Bradesco afirmou que não possui brechas em seu site e que não colocou em vulnerabilidade as informações de seus clientes. No entanto, conforme a Folha, foram encontrados boletos gerados pelo Bradesco expondo informações de clientes, como CPF, nome, endereço, agência e número da conta.

Segundo o Banco do Brasil, a falha foi corrigida na sexta-feira, e que até então o problema não teve associação com nenhuma transação financeira, sem riscos para clientes.

Já a Moip, que atua na cadeia de pagamentos eletrônicos, afirmou, via nota oficial, que os boletos encontrados na internet foram disponibilizados pelos próprios lojistas, e não pela empresa.

“Todas as 34 (trinta e quatro) URLs dos boletos, dos 250 mil feitos mensalmente, estão fora do ar”, informou.

A Boa Vista Serviços não se manifestou sobre a medida do Procon.