Empresários de TI estão otimistas demais? Foto: Monkik / Shutterstock

Pode ser uma visão contaminada pelo desempenho dos anos anteriores ou até uma falha de projeção. Mas, aparentemente, empresários brasileiros do setor de tecnologia da informação esbanjam otimismo no que se refere a taxas de crescimento de suas organizações.

O último levantamento trimestral da Advance Consulting com 2,5 mil profissionais do setor indica que uma expectativa média de crescimento para 2014 da ordem de 10,4%. 

É quase o dobro da previsão do setor de TI (6,65%) e dez vezes mais do que os 1,25% previstos para a economia brasileira como um todo, lembrando que para o primeiro semestre a expectativa já é recessão e que alguns analistas já revisaram suas previsões para abaixo de 1%.

Os empresários do setor de tecnologia vem errando perigosamente em suas projeções. O relatório da consultoria lembra, por exemplo, que 43% das empresas tiveram resultados abaixo do planejado em 2013.

Trata-se de uma questão quase sistemática. "Na pesquisa feita na primeira semana de abril de 2014, quando nem todas as empresas tinham apurado seus números do primeiro trimestre, 37% disse ter resultados abaixo do planejado", estampa o relatório.

Como algumas empresas, na época desse primeiro levantamento, não haviam fechado os números do trimestre, a pergunta foi refeita. Com isso, constatou-se que 49% obteve resultados abaixo do planejado para o período.

A distância entre planejado versus realizado foi ainda maior no levantamento mais recente que mediu o desempenho do segundo trimestre: 58% das empresas tiveram resultados abaixo do planejado e apenas 12% tiveram resultados acima.  

De acordo com o relatório, as empresas menores não estão acompanhando os dados e fatos de mercado e estão com expectativas mais altas de crescimento da economia – o que não deve acontecer. "Portanto, terão uma surpresa desagradável no final de 2014", vaticina o documento.  

Outro ponto preocupante, segundo a consultoria, é que 30% dos respondentes faturou, no primeiro semestre do ano, uma quantia abaixo do que havia registrado no mesmo período de 2013.

"Muitas empresas têm grande dose de otimismo que não se traduzem em realidade", ilustra o documento. “Nunca antes na história das nossas pesquisas os empresários estiveram com previsão tão baixa para as vendas de tecnologia”, prossegue.

Três motivos são chave para compreender a percepção do empresariado: baixo resultado de vendas de janeiro até agora (em especial no segundo trimestre); muitas propostas e pouco fechamento; e mercado consumidor sinalizando fortemente redução de custos daqui até o final do ano.