Guilherme Bernard. Foto: divulgação.

A Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia (Acate) iniciou esta semana o seu programa de internacionalização, com o objetivo de disseminar de informações e viabilizar operações de suas empresas fora do país.

A iniciativa tem seu foco inicial nos mercados do Oriente Médio, Europa e América do Norte. As oportunidades de acesso ao mercado do Oriente Médio foram tema do primeiro encontro, realizado na quarta-feira, 26, na sede da entidade, em Florianópolis.

A KBW, empresa de investimentos liderada pelo investidor Khald Bin Alwaleed, membro da família real da Arábia Saudita, e a First, empresa de relações públicas controladas pela KBW e com sede em Dubai (Emirados Árabes) foram os patrocinadores do evento.

O próximo encontro, marcado para o dia 15 de setembro, vai destacar o mercado da Europa, com apresentação de cases de sucesso e informações sobre acesso a financiamentos na Suíça, com apoio do Consulado Geral da Suíça e Swiss Global Enterprise.

A terceira reunião será direcionada a negócios no sul da Flórida, nos Estados Unidos, com a proposta de implantação de um escritório físico e virtual para a Acate, com apoio administrativo, contábil, jurídico e logístico.

"Queremos com estas iniciativas fazer com que as empresas inovadoras catarinenses passem a ter acesso facilitado ao mercado internacional e que os negócios, sobretudo nascentes, sejam cada vez mais pensados em escala global", afirmou Guilherme Bernard, presidente da Acate.

Responsável por fomentar o setor tecnológico no estado, a Acate articula desde 1984 ações entre o setor tecnológico catarinense, centros de ensino e pesquisa e agências de financiamento.

Em Santa Catarina, a área de tecnologia agrega 20 mil profissionais e apresentou crescimento de 15% em 2014, aponta a Acate. Com cerca de 700 associados, a Acate espera para 2015 um crescimento de 20% para o setor.