Ana Paula Vendramini Maniero.

A GS1 Brasil-Associação Brasileira de Automação incorporou o número do registro na Anvisa em seus padrões globais de automação.

Com a medida, o IUM – Identificação Única do Medicamento, que é uma espécie de RG dos medicamentos, poderá ser gerenciado com mais facilidade pela agência reguladora.

“Antes da padronização, o número do registro na Anvisa não poderia ser codificado e interpretado mundialmente; agora, possui regras de formatação seguindo o que é adotado em todo o mundo”, explica Ana Paula Vendramini Maniero, coordenadora de negócios da GS1 Brasil e responsável pelo grupo de trabalho da área de Saúde da entidade.

O IUM é formado pelo número do registro junto à Anvisa, e contém, além do número serial, a data de validade e o número do lote.

Essas informações ficarão armazenadas no código de barras bidimensional Datamatrix, tecnologia escolhida pela Anvisa para conter todos os dados do produto.

O código permite recuperar informações históricas e geográficas sobre o caminho percorrido pelos medicamentos desde sua produção até a entrega ao consumidor.

As embalagens de todos os produtos devem conter os mecanismos de identificação estabelecidos nesta norma da Anvisa.

Os brasileiros são os que mais consomem remédios falsificados no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). De acordo com a Anvisa, 20% dos medicamentos vendidos no país são falsos.

Só em 2010, a Anvisa apreendeu 53.575 mil unidades falsificadas e contrabandeadas e 62,9 toneladas sem registro.