Não tá fácil pro mercado de impressão, diz IDC. Foto: divulgação.

O mercado brasileiro de impressão registrou no segundo trimestre de 2013 uma queda de 24,5% em vendas em relação ao mesmo período em 2012, com um total de 910 mil equipamentos comercializados.

O dados são da IDC Brasil, que destacou também um declínio trimestre a trimestre. Os números levantados pelo setor no período são 3,7% menores que o contabilizado nos três meses anteriores.

A queda veio como uma ducha de água fria para o setor, que no primeiro trimestre havia reagido com um crescimento de 3,4% sobre o último período de 2012.

Os equipamentos jato de tinta representaram 70% de todo o volume e apresentaram uma queda de 8.5% em relação ao primeiro trimestre de 2013. No mercado de equipamentos laser o volume de vendas foi 11.9% maior em relação ao primeiro trimestre de 2013.

Segundo Diego Silva, analista da IDC Brasil, o mercado jato de tinta está se readequando aos novos patamares de demanda no Brasil.

“A movimentação dos fabricantes após a crise de 2008, por um lado garantiu os excelentes volumes de vendas, mas, por outro, condicionou a demanda a faixas de preços extremamente baixas”, diz.

Além disso, conforme aponta o analista, a grande oferta de suprimentos não originais acabou forçando os fabricantes a repensarem suas estratégias.

A oferta de produtos wi-fi é um dos fatores que impactaram positivamente o mercado, uma vez que a mobilidade (tablets, smartphones e notebooks) nos segmentos doméstico e de pequenas empresas tem crescido de forma exponencial no Brasil.

“Mesmo com o segmento corporativo dando sinais de atenção e postergando seus investimentos em TI de uma forma geral, a expectativa é que o mercado se mantenha aquecido nos próximos trimestres, não só na comercialização de hardware de impressão, como também no segmento de serviços de impressão” ressalta Diego.