Tiago Jacobs, sócio-diretor da iMDT, e os avaliadores Odisnei Galarraga e Carlos Becker. Foto: divulgação.

Cinco empresas gaúchas foram anunciadas pela Software Process como as novas certificadas pela avaliação MPS.BR. As companhias Retta, Digifred, iMDT, Compuletra e Join foram as agraciadas, recebendo a certificação MPS-SW.

Quantos aos níveis, as empresas Retta, Digifred e Compuletra ficaram com certificações nível G, enquanto a iMDT e Join levaram o selo MPS nível F.

Assim como foi com a certificação recente da portoalegrense Numeria, a avaliação MPS foi realizada pela Software Process, com implementação a cargo da Engsoft. Com a nova leva, a avaliadora já soma 36 avaliações oficiais MPS.BR em todo o Brasil.

A Retta, de Lajeado, integrante da Inovates, incubadora do Tecnovates, e fornece serviços de fábrica de software e outsourcing de processos, com clientes como CentralSul Química e Grupo Conpasul.

Sediada em Frederico Westphalen, a Digifred tem seu foco em soluções de gestão para segmento público, fornecendo soluções para diversos municípios gaúchos. Já a iMDT tem sede em Campo Bom, no Vale do Sinos, e fornece serviços de outsourcing de processos e fábrica de software.

De Porto Alegre, as certificadas foram a Compuletra e Join. A Join atua como fábrica de software e a Compuletra desenvolve sistemas para o segmento de logística e segurança, como monitoramento de atividades e controle via biometria.

Existem hoje no país 581 empresas avaliadas em algum nível do MPS.BR, um requisito exigido em cada vez mais licitações para compras de fábricas de software.

A primeira recomendação do Tribunal de Contas da União nesse sentido data de 2007.

No entanto, a grande maioria fica nos níveis mais iniciais como o G (58%) e o F (29%). As empresas com nível C totalizam apenas 7%¨e 1% detém o nível A, o máximo.