Eduardo Peres. Foto: divulgação.

A DBServer começou a fazer as primeiras entregas na Procergs de uma licitação de 15 mil pontos de função e seis mil horas de consultoria homologado pela estatal gaúcha de processamento de dados em março.

A fábrica de software gaúcha levou o contrato com uma proposta de R$ 9,9 milhões, que venceu as propostas da Stefanini e da Algar.

O contrato ganho pela DBServer faz ênfase em entregas usando métodos ágeis (metade das horas de consultoria são de mentoring sobre o assunto), com as quais a Procergs tem conseguido fazer entregas para os seus clientes a cada 15 dias, a metade do prazo inicialmente previsto.

“Já conhecia a DBServer há muitos anos e poder trabalhar com eles realmente provou que estão à frente de muitas empresas maiores e destacando-se merecidamente quando o assunto é metodologia ágil”, afirma Lino Kieling, diretor técnico da Procergs.

O trabalho envolve 35 profissionais da DBServer dedicados a nove projetos de Fábrica de Software, consultoria e treinamento com especialistas como sócio da Dbserver Eduardo Peres e Jorge Audy, uma das figuras mais conhecidas da comunidade ágil gaúcha, incorporado no time da empresa em julho desse ano.

“O projeto da Procergs tem mostrado que é possível para uma empresa pública entregar mais valor, com mais simplicidade e em menos tempo aos seus clientes, desburocratizando de certa forma alguns processos”, acredita Peres.

A vitória da DBServer na licitação é uma prova de que empresas gaúchas ainda podem ser competitivas em licitações na Procergs, uma das maiores compradoras de desenvolvimento do estado.

A última licitação grande na estatal, em 2009, quando a Stefanini venceu uma licitação de 20 mil pontos de função e quatro mil horas de consultoria técnica com uma oferta de R$ 8,2 milhões, gerou muito debate no mercado de TI sobre a dificuldade de empresas locais competirem com “forasteiros”.

No caso da DBServer, pode ter pesado a favor a combinação da aposta em métodos de desenvolvimento ágeis com certificações de qualidade, um mix de habilidades relativamente difícil de encontrar.

A Procergs, em um movimento que é pouco comum quando o assunto são compras públicas de desenvolvimento de software, exigiu especialistas em metodologias ágeis com uma série de certificações ligadas a métodos ágeis, além dos tradicionais MPS.BR, CMMI, PMI e ITIL.

Ainda em 2009, a DBServer recebeu avaliação CMMI nível 2 em sua área de negócios de projetos de software ágeis. Mais recentemente, a empresa foi certificada MPS.BR nível E.

A empresa tem um time de 277 colaboradores atendendo clientes como Ipiranga, Randon, Sicredi, Banrisul, Lojas Renner e Zaffari.