A Qualcomm firmou um acordo para adquirir a NXP. Foto: Divulgação.

A Qualcomm firmou um acordo para adquirir a NXP Semiconductors por US$ 39 bilhões. O movimento vai integrar a principal fornecedora de chips automotivos do mundo e a companhia mais conhecida por projetar chips de smartphones.

O acordo representa o maior negócio já realizado no segmento de semicondutores, ultrapassando a transação de compra da Broadcom pela Avago, fechada em US$ 37 bilhões. A compra da NXP fica atrás apenas da aquisição da EMC pela Dell (US$ 60 bilhões) na área de tecnologia.

A posição da NXP como empresa a empresa de maior crescimento no mercado de chips automotivos foi a principal motivação para o negócio. A Qualcomm quer aproveitar a tendência do aumento de recursos conectados nos carros, além da futura condução autônoma.

A Qualcomm já fornece chips para levar a conexão aos carros, mas aposta nas conexões comerciais da NXP com fabricantes de automóveis e seus principais fornecedores para crescer no segmento, relata o Wall Street Journal.

Steve Mollenkopf, presidente-executivo da Qualcomm, diz que o negócio com a NXP irá ajudar a Qualcomm ser um player mais forte no segmento de internet das coisas, pois os microcontroladores da empresa comprada já são utilizados em muitas destas aplicações.

Outro segmento de liderança da NXP é o de chips para NFC, tecnologia sem fio de curto alcance utilizada para aplicações como pagamentos com smartphones e destravamento de portas de carros por aproximação.

A Qualcomm busca diversificar seu negócio, evitando ficar presa à fabricação de processadores e chips sem fio para smartphones, um grande negócio que atingiu um limite. 

Hoje, a empresa obtém a maior parte de sua receita da concepção e venda de chips, mas ganha mais de metade de seu lucro com as licenças de suas patentes sem fio para quase todos os fabricantes de telefones celulares.

Com o acordo, a companhia se torna uma operadora de fábrica. A NXP possui sete fábricas em cinco países.

Segundo Mollenkopf,os executivos NXP veteranos serão fundamentais para as operações de fabricação.

Em junho, a Qualcomm reportou um lucro trimestral de US$ 1,4 bilhões, praticamente estável em relação aos US$ 1,2 bilhões registrados no mesmo período do ano anterior.