Camila Achutti.

A Avanade, multinacional de serviços de TI, acaba de lançar um programa de capacitação profissional focado em mulheres no Brasil.

A empresa selecionou uma turma de estudantes de ensino superior de diferentes cursos com previsão de formatura para os próximos dois anos, com a intenção de ensinar programação.

O programa é uma parceria com a startup de recursos humanos 99jobs e a empresa de treinamentos Mastertech.

Batizado de Ada Bootcamp, em homenagem a Ada Lovelace, uma das pioneiras da programação, o programa terá entre seus professores Camila Achutti, uma das fundadoras da Mastertech.

Camila é uma das referências no país quando o assunto é promoção da inserção feminina no mercado de TI, através da comunidade online Mulheres na Computação.

“Este projeto vem reafirmar nosso compromisso em desenvolver as carreiras de mulheres em tecnologia", avalia Rodrigo Caserta, country manager do Brasil da Avanade.

As gigantes de TI tem colocado o tema de inclusão e diversidade como um dos pontos centrais das suas agendas de responsabilidade social corporativa. 

A SAP, por exemplo, tem uma meta de ter 30% dos cargos de liderança ocupados por mulheres até o final de 2022. 

O maior case de sucesso de políticas nessa linha é o da ThoughtWorks Brasil, subsidiária brasileira da multinacional de desenvolvimento de software.

A ThoughtWorks Brasil tem 513 funcionários, dos quais 40% são mulheres. Na área de desenvolvimento, tradicionalmente um feudo masculino, são 162 desenvolvedoras (36% do total).

Esse número é muito acima da média de mercado, que gira em torno de 10% e representa o dobro do que a empresa tinha em 2013. 

Parte da estratégia para atingir esses níveis de presença feminina no time é incrementar o número de lideranças mulheres que possam servir como referência e coach para as demais.

O outro lado é fazer um esforço diferenciado de captação de currículos de profissionais, a exemplo do que a Avanade está fazendo.