Este é pelo menos o quarto ataque a órgãos do judiciário somente em novembro. Foto: divulgação.

O Tribunal Regional da Primeira Região (TRF-1) foi a bola da vez dos ataques hackers nesta sexta-feira, 27: invasores dizem ter obtido acesso a arquivos em mais de 40 bases de dados do tribunal.

De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, o ataque foi comemorado nas redes pelo grupo, que afirma ter capturado os dados e que, dessa forma, conseguiu mostrar a vulnerabilidade do sistema do TRF-1.

O TRF-1 é o que abriga mais processos no país, abrangendo casos do Distrito Federal e de 13 estados: Acre, Amapá, Amazonas, Bahia, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Piauí, Rondônia, Roraima e Tocantins.

No site Ghostbin, usado para expor vazamentos, um hacker identificado como M1keSecurity publicou nomes de arquivos que estariam em quatro das 47 bases de dados do TRF-1 acessadas. Os arquivos, no entanto, não foram publicados.

“Vazamento de dados do Tribunal Regional da Primeira Região (portal.trf1.jus.br). isso é sério? um orgão tão importante com uma vulnerabilidade tão grave.. nest post estamos expondo "só" o conteudo de 4 (cit, concurso, stf e trfweb) das 47 DBS, apenas para demonstrar que o TRF1 tambem é vulneravel nosso objetivo NÃO é causar o caos, nem prejudicar o TRF1”, dizia a mensagem publicada.

A assessoria do TRF-1 confirmou o ataque ao Estadão e disse que a equipe do tribunal está avaliando, mas a princípio houve somente uma divulgação de material que já era de domínio público.

Além disso, o banco de dados do tribunal “está em manutenção para analisar uma possível falha na segurança”.

Após o ataque, o site do tribunal foi retirado do ar para adoção de medidas preventivas e a Secretaria de Tecnologia da Informação colocou todos os serviços em modo restrito para investigação e providências. 

O TRF-1 disse ao jornal que “não se identificou nenhum ativo de Tecnologia da informação comprometido”.

Este é pelo menos o quarto ataque a órgãos do judiciário somente em novembro.

No dia 3, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) foi alvo de hackers que bloquearam o acesso a informações restritas e pediram pagamento de resgate para liberá-las, o que paralisou as atividades no STJ e suspendeu o andamento de processos.

O Tribunal da Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS) foi atacado no dia 11, causando problemas no Eproc, sistema de processo eletrônico do judiciário gaúcho. 

No primeiro turno das eleições municipais, dia 15, hackers realizaram ações contra o Tribunal Superior Eleitoral (TSE)

Este último foi reivindicado pelo grupo CyberTeam, liderado pelo hacker conhecido como Zambrius, de Portugal. Ele diz ter atacado ao menos 61 outras páginas com o domínio “.br”. De 2017 para cá, foram 140.