Sinqia fez uma aposta bem maior do que a sua média. Foto: Pexels.

Tamanho da fonte: -A+A

A Sinqia fez o que é de longe a maior aquisição da sua história, ao pagar R$ 422 milhões pela NewCon, a líder de mercado no segmento de softwares para administradoras de consórcio.

O negócio é uma tacada significativa para a empresa. Desde 2005, a Sinqia fez 20 aquisições, sendo a maior delas até agora a Itaú Soluções Previdenciárias, especialista em tecnologia para empresas de previdência complementar do banco, por R$ 82 milhões, em agosto de 2020.

A NewCon é a líder no seu nicho, atendendo 80 administradoras de consórcio, com uma equipe de 190 colaboradores. A empresa fechou os 12 meses encerrados em setembro com uma receita bruta de R$ 76 milhões e EBITDA de R$ 40 milhões.

Com a aquisição, a Sinqia aumenta em 67% seu EBITDA (a margem da adquirida é de 56%, acima dos 19% da compradora) e em 23% sua receita.

Segundo avalia o Brazil Journal, a Sinqia botou a mão no bolso para comprar a NewCon, pagando um um múltiplo de 5,9x a receita, acima da proporção normal, que fica entre 1x a 4x a receita.

O mercado de consórcios cresce cerca de 20% ao ano e a tendência é que o produto se torne mais atrativo com o aumento das taxas de juros para financiamentos.

Conhecida até 2018 como Senior Solution, a Sinqia vem adquirindo empresas de software para o setor financeiro em série faz tempo, formando uma oferta com pilares focados em bancos, fundos, previdência e consórcios, além de outsourcing e consultoria. 

A lógica por trás das compras é sempre a mesma: posicionar a Sinqia como líder no segmento e criar oportunidades de cross sell e up sell na base de clientes combinada.

A compra da NewCon será paga com os R$ 630 milhões que a Sinqia tem em caixa, reforçado com um follow-on de R$ 400 milhões, há dois meses. 

Com a aquisição, a receita da Sinqia nos 12 meses até setembro seria de R$ 430 milhões, o que está perto dos  R$ 500 milhões estabelecidos como meta até o final de 2023.

Em entrevista para o Brazil Journal, o CFO da Sinqia, Tiago Rocha, disse que o plano está “antecipado em dois anos” e que a agora a empresa quer “dobrar a meta”.