Sistema do Google é expert no Go. Foto: divulgação.

Em 1997, a IBM fez história ao colocar seu supercomputador Deep Blue em uma série de disputas de xadrez com o russo Gary Kasparov, campeão mundial de xadrez na época, e vencer algumas partidas. Agora o Google foi além criando uma inteligência artificial capaz de jogar Go, um dos jogos mais complexos que existem, e vencer campeões humanos.

O AlphaGo, sistema de computação desenvolvido por uma equipe do Google no Reino Unido, venceu o campeão Europeu Fan Hui em uma série de cinco a zero, surpreendendo diversos especialistas em inteligência artifical.

A surpresa vem do fato que o Go envolve não apenas cálculos lógicos, mas também uma certa dose de intuição dos jogadores, fazendo de uma AI capaz de jogá-lo um pesadelo para diversos desenvolvedores.

Criado na China há mais de 2,5 mil anos, o Go consiste de um tabuleiro composto de diversas linhas e o jogador deve capturar as peças de seu oponente, ocupando a maior parte do tabuleiro com suas peças.

Ainda mais difícil que explicá-lo, é jogar. Segundo especialistas, o Go tem mais de 200 padrões de movimento para as peças, dez vezes que mais o xadrez. Por isso, calcular probabilidades - tática feita pelo DeepBlue contra Kasparov - com rapidez não é o suficiente.

"Existem mais cenários em um tabuleiro de Go que há átomos no universo", provocou Demis Hassabis, CEO do Google DeepMind, time responsável pela criação do AlphaGo.

A inteligência por trás do AlphaGo envolve uma tecnologia chamada "deep learning", capaz de processar mais de 30 milhões de diferentes movimentos de Go e capaz de jograr contra si mesmo, em um loop de aprendizado do jogo.

Para os pesquisadoresEm teoria, um treinamento assim é capaz de produzir um sistema tão inteligente quanto os melhores humanos. Para vencer os melhores, os pesquisadores igualaram o sistema com ele mesmo.

“O aspecto mais importante de tudo isso é que o AlphaGo não é apenas um sistema expert, construído com regras pré-determinadas. Ele usa técnicas de aprendizado para vencer no Go", afirmou Hassabis.

Apesar da publicidade que a façanha no Go pode trazer, a tecnologia de deep learning pode ser mais adiante usada em aplicações bem mais complexas. Segundo Hassabis, o sistema pode aprender com tarefas diversas e responder a variações nestes processos.

“O sistema pode processar volumes bem maiores e ter uma gama maior de insights que o especialista humano. O sistema pode sugerir caminhos para que o especialista humano tenha uma descoberta inédita", afirmou o CEO.

Entretanto, o foco do AlphaGo continua no jogo. Depois de vencer o campeão europeu, o sistema enfrentará Lee Sedol, homem que tem o maior número de títulos internacionais no jogo, considerado o "Roger Federer do mundo do Go". Para especialistas, bater Sedol será bem mais complicado.