Os "social media" da "prefs": Álvaro Borba (E), Claudio Castro, Camila Braga, Marcel Bely e Larissa Pereira (D). Foto: divulgação.

A prefeitura de Curitiba está dando uma lavada em termos de repercussão do seu perfil do Facebook e o segredo parece ser o bom humor característico dos posts.

Criada oficialmente há um ano, a fan page oficial da Prefeitura de Curitiba conta com 138 mil curtidores, e faz, em média, de 3 a 5 postagens por dia.

Segundo um levantamento realizado pela reportagem do Baguete durante os dias 12 a 22, a página teve um total de 29 publicações, que geraram 1.572 comentários, 5.891 compartilhamentos e 26.626 likes.

Para poder fazer uma comparação, os quatro indicadores somados e divididos por quatro representam uma cifra [daqui para frente, o indicador Baguete de presença em mídia social], de 8.527 para Curitiba.

A reportagem calculou qual seria esse número em diferentes prefeituras de capitais do Brasil e constatou que a curitibana é a mais popular do país.

São Paulo não tem presença no Facebook. O Rio de Janeiro, a segunda cidade mais importante do país, tem menos seguidores que Curitiba [104 mil, mesmo tendo um população 3,5 vezes maior e sendo um destino turístico mundial].

Além do número total menor, o volume de engajamento é pífio na comparação com Curitiba: foram 11 posts, 57 comentários, 309 likes nos posts e 149 compartilhamentos, o que totaliza um índice de apenas 131.

Porto Alegre, que tem 6 mil curtidores na página de fãs, concentra 71 pontos na média de engajamento.

Outras capitais se saem um pouco melhor. Manaus, que tem apenas 132 mil habitantes a mais do que a cidade de Curitiba, soma a pontuação de 3.902.

Se engana quem acha que o segredo de Curitiba está no mero volume de postagens. No período de dez dias analisado, a página da cidade de Manaus publicou 63 posts - em média 6 a 7 postagens por dia. No entanto, sua média de likes por post é de 23.

Curitiba postou apenas 29 vezes no mesmo período, mas recebeu cerca de 918 likes por post, 895 a mais que Manaus, em média, por postagem.

Outra cidade com índices relevantes de engajamento em sua página de fãs é Maceió, em Alagoas. Sua pontuação foi de 2.558, ficando na terceira colocação do ranking de média de interação.

Os resultados da página oficial no Facebook da Prefeitura de Curitiba fazem dela a garota propaganda no meio de cidades da postura de discurso mais pessoal e bem humorada abraçada na iniciativa privada por empresas como o Ponto FrioMagazine Luiza ou Netflix.

Conhecida popularmente (e porque não, carinhosamente) como "prefs", a fan page concentra humor, informação e serviço público em meio a postagens curiosas, com linguagem informal, atingindo cerca de 298 mil pessoas só nesse último mês.

Dentre os posts estão informações sobre a temperatura na capital, programas e ações da prefeitura, além de pitadas de referências nerds.

Além disso, a prestação de serviço e a "conversação" seguem como um dos ofícios da prefeitura nas redes sociais.

Por trás de toda a estratégia e administração da página, está Marcel Bely, 25 anos. O publicitário curitibano admite que não imaginava ter a repecurssão que seu trabalho está tendo.

Além dele, a equipe conta com um integrante especializado na viralização de conteúdos. Claudio Castro, mais conhecido como @Ahnão, fez parte de produções memoráveis como o "Cada um no seu quadrado". Hoje ele integra o time de redes sociais da prefs.

Os outros componentes do time de social media da prefeitura curitibana são Álvaro Borba, Camila Braga, e Larissa Pereira, além de Tais Russo e Marcos Giovanella, diretor do departamento.

"Nós quebramos um paradigma, e isso inevitavelmente se torna assunto. Não esperávamos que isso acontecesse tão rápido, nem que a aceitação seria tão instantânea" comenta Bely.

Bely fala de aceitação pois as postagens da página oficial da prefeitura de Curitiba fogem do comum, da linguagem formal e do posicionamento típico de qualquer outro departamento de comunicação ligado a órgãos públicos.

Para o publicitário, as pessoas não querem mais ler ou ouvir o mesmo discurso institucional que a maioria das prefeituras utilizam.

"O posicionamento precisa ser humano, precisa gerar relacionamento, conversa. O discurso institucional hoje só serve para assessoria de imprensa", acrescenta. "No entanto, a prestação de serviço segue com seriedade", conclui.

Sobre o início nas redes sociais, Marcel comenta que, de certo modo, foi fácil, já que não existia ninguém realizando essa tarefa na prefeitura.

Com isso, tiveram flexibilidade para criar e implantar a linguagem que acreditaram ser essencial.

O coordenador da página comenta que usou como referência no planejamento inicial a página da campanha de Barack Obama, presidente dos EUA, assim como a fan page da prefeitura de Nova Iorque.

No entanto, Marcel é claro em destacar que nunca utilizou as ferramentas de publicidade da rede.

"Nunca compramos nenhuma publicidade do Facebook, tudo o que temos hoje são seguidores espontâneos. Para medir o engajamento e ter noção se nosso trabalho está sendo bem feito, utilizamos os próprios os Insights do Facebook e a mídia espontânea", revela.

Para Belly, um de seus legados com a atuação da prefeitura nas redes é trazer o público para conhecer o sistema do governo. Além disso, acredita que é preciso trazer às redes outros órgão públicos.

Quando questionado do motivo de outras prefeituras não aderirem completamente às redes sociais, o gestor acredita que falta coragem.

"Existe um medo infundado em entrar oficialmente nas redes sociais. Em breve, as crianças que nasceram com celular e a internet na mão chegarão às cadeiras da prefeitura, do governo e do poder público. Uma das primeiras coisas que elas farão, serão essas mudanças", conclui.

Confira alguns posts da fan page: