HT Micron produz chips. Foto: Unisinos.

A HT Micron, fabricante de chips instalada no Tecnosinos, em São Leopoldo, está com uma RFP aberta para contratar uma consultoria responsável pela implentação de um sistema de gestão SAP ECC 6.0 e do software de business intelligence Business Objects.

O objetivo é definir o fornecedor até o final de maio para começar a implementação em julho e entregar os sistemas operacionais até dezembro.

“A ideia foi fazer a implementação no começo das operações para fazer o menor número de customizações possíveis”, explica Ronaldo Aloise, vice-presidente de Operações da HT Micron.

Aloise destaca que empresas de capital intensivo como a HT Micron, cuja fábrica inaugurada no final de fevereiro custou R$ 110 milhões, com planos de investir outros R$ 260 milhões para os próximos anos, já “nascem complexas” e “exigem processos definidos o mais cedo possível”.

A meta da HT é chegar a capacidade máxima de 360 milhões de chips/ano, com o qual poderia atender a cerca de 25% da demanda nacional por estes produtos – um mercado que movimenta cerca de US$ 25 bilhões no país.

A gestão da implementação dos sistemas por parte da HT Micron será feito por Alesandra Venturella, gestora financeira da empresa. Alesandra tem experiência na área de TI, tendo atuado por quase 10 anos no Grupo Meta.

Aloise também tem background no setor, em particular em empresas de ERP: foi diretor de Marketing da Datasul, além de representante da Baan no Rio Grande do Sul. 

Além da implementação do SAP, a HT Micron está conduzindo a escolha de um sistema especializado para execução de manufatura [conhecidos no jargão da indústria como M.E.S] e um software para processamento de folha.

O M.E.S, sistema que controla o volume de produção por máquina da fábrica e permite a rastreabilidade dos produtos, deve ser um fator facilitador para a implantação do ERP. 

Como o sistema controla a parte mais específica de produção de semicondutores, o sistema de gestão será responsável pelo backoffice e outras funções típicas de qualquer negócio. 

Assim, a HT Micron não terá dificuldade em encontrar um implantador com a expertise necessária. A Hana, empresa coreana que faz parte da joint-venture dona da HT Micron, é ela mesma uma usuária de sistemas SAP.

O contrato também terá implicações na Teikon, empresa de manufatura de eletroeletrônicos que faz parte do grupo Parit Participações, holding de investimentos que controla também a Altus e  HT Micron.

A Teikon fabrica módulos de memória para a HT e também deve fazer uma implantação SAP, substituindo o sistema Datasul atualmente em uso. 

Existe um estudo para fazer o mesmo na Altus, hoje usuária de um sistema ABC 71, mas lá a hipótese ainda está em estudo, uma vez que a empresa atua com fabricação por projeto e não tem sinergias diretas com as outras duas companhias.