A Capgemini está expandido sua área de Blockchain. Foto: Divulgação.

A Capgemini está expandido sua área de Blockchain dentro da unidade de negócio de serviços financeiros. A companhia recrutou um grupo de especialistas na tecnologia e pretende expandir sua equipe global para mais de 100 profissionais até o final do ano.  

A Capgemini presta consultoria a instituições bancárias, órgãos reguladores e seguradoras e busca ajudar as instituições a analisar e implementar uma série de soluções relacionadas à tecnologia Blockchain. 

O objetivo da empresa é fornecer uma variedade de serviços de consultoria e tecnologia, como estudos de viabilidade, análise da justificativa para a implantação, criação de modelos operacionais, consultoria em arquitetura de sistemas e integração de sistemas em grande escala. 

"O foco da Capgemini na tecnologia Blockchain representa um importante passo na jornada das empresas rumo ao desenvolvimento de soluções de tecnologia financeira. Trabalhamos com empresas no desenvolvimento de soluções inovadoras de Blockchain nas áreas de micropagamentos, empréstimos de consórcios de bancos, gestão de ativos e administração de sinistros, que serão implementados pela Capgemini como integradora de sistemas", diz o CEO da unidade de negócios estratégicos de serviços financeiros da Capgemini, Thierry Delaporte. 

Um blockchain é um banco de dados distribuído, no qual novos registros de transação estão linkados entre si por marcadores de tempo compartilhados. Cada bloco, acessível por todos os participantes, contém o registro de uma série de transações.

A tecnologia ficou conhecida por ser a base do bitcoin, criptomoeda eletrônica que tem sido uma febre no setor financeiro nos últimos anos, mas o princípio pode ser utilizado numa série de sistemas financeiros ou qualquer outra situação que demande registros públicos confiáveis.

"A tecnologia Blockchain é um divisor de águas do setor, e as empresas de serviços financeiros não podem ignorá-la. É uma boa arquitetura a ser considerada à medida que aumenta a velocidade do processamento das transações financeiras, pois pode reduzir o tempo de processamento de horas para minutos, fornecendo níveis de segurança sem precedentes", comenta o líder global do setor bancário e de serviços financeiros da Capgemini, Anirban Bose. 

Nesta semana, o Itaú anunciou que é o primeiro banco da América Latina a participar do consórcio R3, uma iniciativa que reúne 42 duas instituições financeiras de todo o mundo para desenvolver projetos relacionados a tecnologias de registros compartilhados baseados em Blockchain.

A Capgemini conta com mais de 180 mil profissionais em mais de 40 países. Em 2015, o Grupo reportou uma receita global de € 11,9 bilhões. 

No Brasil, a Capgemini emprega 8,5 mil pessoas e atende mais de 200 clientes.