2º lugar no ranking. Foto: Denis Pacheco / USP imagens

A Universidade de São Paulo [USP] perdeu a primeira colocação no ranking de instituições latino-americanas do grupo Quacquarelli Symonds [QS] University Rankings, publicação britânica responsável pelas principais listas do mundo.

Desde 2011, a universidade paulista ocupava o topo do ranking, quando a medição foi criada. Agora, no lugar da USP, ficou a Pontifícia Universidade Católica do Chile [UC]. A USP se colocou em segunda posição.

Segundo o QS, embora a USP se destaque no número de pesquisas publicadas, a UC lidera por causa do impacto das pesquisas, com citações de artigos em publicações internacionais. A UC também apresentou um bom número de alunos em sala de aula por professor.

Entre as dez primeiras colocadas, seis instituições são brasileiras. Dois destaques foram a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que saiu do 8.º lugar para 4.º, e a Universidade Estadual Paulista (Unesp), que deixou a 11.ª colocação e foi para a 9.ª posição.

A Universidade Federal do Rio Grande do Sul está na 10ª colocação do ranking.

Segundo o editor sênior do site de rankings do QS, Danny Byrne, a queda da USP não é "indicativo de uma tendência geral para as instituições brasileiras". O Brasil aparece neste ano com 10 das 20 melhores universidades da América Latina - duas a mais do que no ano passado.

O indicador em que as universidades brasileiras lideram é o número de artigos por docente, o índice que mede a produtividade em pesquisa.

"As oito melhores instituições neste indicador são brasileiras, com apenas a Universidade do Chile no top 10. A USP melhorou sua posição no QS World University Rankings, nos últimos quatro anos, passando da colocação 207ª, em 2009, para a 127ª posição, em 2013", ponderou Byrne. A Reitoria da USP não comentou a perda de posição no ranking latino americano.