TENDÊNCIA

Pagamentos instantâneos no Brasil: vantagens e desafios

28/06/2019 14:05

Nos últimos anos, com a revolução tecnológica, o panorama vem se transformado rapidamente.

Débora Figueredo, gerente da Sinqia Consulting. Foto: Divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

Há dezessete anos, o Brasil deu o primeiro passo rumo à facilitação de pagamentos ao lançar o "novo SPB". O novo sistema trouxe consigo a TED - Transferência Eletrônica Disponível - que possibilitou o repasse de recursos no mesmo dia da transação, e colocou o Brasil em destaque no que se referia a transferências rápidas no cenário mundial.

Nos últimos anos, com a revolução tecnológica, o panorama vem se transformado rapidamente e países como Suécia, Singapura e Austrália têm se aproximado da realidade cashless (economias com baixa utilização do papel moeda, fomentando o uso de pagamentos eletrônicos) dada a eficiência, praticidade e economia da mais recente modalidade de pagamento - Pagamento Instantâneo. De acordo com o BIS - Bank for International Settlements-, pagamentos instantâneos são aqueles em que a transmissão da mensagem de pagamento e a disponibilização dos recursos para o usuário final são realizadas em tempo real (ou quase em tempo real, aproximadamente 20 segundos) e disponível 24 horas por dia e 7 dias por semana (24x7).

As transferências entre contas de uma mesma instituição - os chamados arranjos fechados - pagamentos com QR code, com cartão, transferências via TED, não se referem ao ecossistema de pagamentos instantâneos no conceito estrito da modalidade. Arranjos fechados são silos verticais que não permitem a mesma usabilidade ao transferir recursos para outras instituições. E uma vez que haja como exemplos: (i) a usabilidade de pagamentos por QR code, o mesmo é apenas um canal/meio de viabilizar pagamentos, e não uma modalidade; (ii) pagamentos com cartão, apesar de disponíveis, tem prazo dilatado que varia dependendo de sua modalidade (crédito ou débito); e (iii) transferências TED não possuem disponibilidade 24x7 e não transferem recursos em tempo real.

Na Suécia, a união dos principais bancos levou à criação da Swish, que habilita cidadãos a fazerem transferências em tempo real gratuitamente. Os comércios locais pagam uma tarifa para aceitar Swish, mas o valor é bem mais em conta que os MDR dos cartões de crédito e débito. Na China, apesar de se tratarem de arranjos fechados, a entrada do Alipay e do Wechat, instituições oriundas do comércio eletrônico, habilitou uma população com altos índices de desbancarização a ingressar no mercado de pagamentos. O resultado foi a criação de dois grandes arranjos no país mais populoso do mundo e o salto da era do pagamento em dinheiro para a era do pagamento instantâneo.

No Brasil, em maio do ano passado o Banco Central iniciou o ambicioso projeto de trazer pagamentos instantâneos para o país não apenas entre pessoas, mas também empresas e governos. O objetivo é que se possa, inclusive, pagar impostos ou receber benefícios sociais por meio da plataforma de pagamentos instantâneos, por exemplo.

Mais do que uma nova modalidade, a introdução de pagamentos instantâneos no mercado brasileiro demanda uma atenção especial, na formulação da estratégia. A experiência do usuário final passa a ser fator determinante na diferenciação e fidelização.

Outro fator relevante é o cenário de competitividade no qual o ecossistema se desenvolverá. De acordo com dados do Fintechlab, em agosto/18 havia 105 fintechs de pagamentos, 8 bancos digitais e 9 fintechs multisserviços, que somados aos outros 154 bancos autorizados na mesma época, totalizam 276 potenciais provedores de serviço de pagamentos instantâneos.

Nesta fase de definição de regras e transição, deve ser encarada como uma etapa de preparação para as empresas que pretendem atuar com pagamentos instantâneos. Pensar a estratégia de entrada, muito além da simples disponibilização de forma de aceitação, dar a devida atenção às necessidades do usuário final, estar pronta para desenvolver e integrar APIs, navegar com segurança no universo digital e se antecipar a temas paralelos, como open banking e LGPD podem ajudar as instituições a iniciar sua jornada muitos passos à frente da concorrência.

Mesmo que haja diversas vantagens na inserção do pagamento instantâneo, sua implementação deve ser considerada como ponto de atenção, pois envolve uma drástica modificação de costumes. A infraestrutura de pagamentos precisa estar centralizada em uma instituição e todas empresas devem considerar como uma demanda de adaptação à nova tecnologia, que somente funcionará se todos os players do ecossistema de pagamento instantâneo "falarem a mesma língua".

*Por Débora Figueredo, gerente da Sinqia Consulting.

Veja também

CONCORRÊNCIA
Itaú tem transferência rápida para exterior

Mais um banco teve que se mexer em meio à competição das fintechs.

COMPRAS
Accesstage: R$ 2 milhões por fábrica de software

Companhia comprou startup fundada há menos de um ano por um ex-funcionário.

STARTUP
BTG Pactual adquire controle da Resale

Na transação, o banco assumiu 65% do capital da startup.

PAGAMENTOS
CloudWalk: maquininha é commodity

Empresa quer derrubar preço no chão e ganhar no volume.

INSIGHTS
Banrisul: análise preditiva com IBM

A ferramenta é o primeiro passo para uma futura adoção da plataforma de inteligência artificial Watson.

IBM
CIO do Bradesco integra lista de precursoras em IA

Walkiria Marchetti está entre as 40 mulheres mais notáveis para a IBM no uso de IA nos negócios.

FINANÇAS
Acesso é primeira cliente da Mambu no Brasil

A empresa alemã de soluções para bancos digitais atende a mais de 180 instituições em 45 países.

JURÍDICO
BMG captura processos com E-Xyon

A E-Xyon realiza a análise diária de 100 mil processos cíveis e trabalhistas.

MERCADO
Fintechs: 47 fecharam no último ano

O número total de fintechs no país saltou de 453 para 604, um aumento de 33%.

FEBRABAN
Rede blockchain envolve 9 bancos

O sistema permite o compartilhamento de informações entre as instituições parceiras.