Natura compra produtos da Amazônia. Foto: Pedro Martinelli/Natura/Divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Compasso, empresa de tecnologia do UOL, e a Natura, gigante de cosméticos, uniram forças para uma iniciativa de formação de profissionais no Pará, em parceria com a Universidade da Amazônia (Unama), sediada em Belém.

Serão selecionados 20 bolsistas, que terão formação e mentorias oferecidas pela Compasso, visando trabalhar em um projeto digital determinado pela Natura, com foco em sustentabilidade.

Os alunos que mais se destacarem serão convidados a trabalhar, com contração no regime CLT, na Compasso ou em empresas do grupo Natura & Co, formado pelas marcas Natura, Avon, The Body Shop e Aesop.

O formato do programa, em parceria com a Natura, uma das grandes clientes da Compasso, é inédito para a companhia. 

Mas a Compasso é uma empresa com experiência no assunto formação de mão de obra, cujos programas já envolvem 30 instituições em todo o país. O acordo com a Unama é também o primeiro no Norte.

Cerca de 80% das vagas abertas pela Compasso são preenchidas por dois programas de qualificação de mão de obra.

O Compasso Academy, fechado agora com a Unama, oferece bolsas de estudo para que graduandos de nível superior e de nível técnico participem de trilhas de formação avançada em plataformas da Amazon, Google, Microsoft e Oracle. 

Em 2019, aproximadamente 60% dos estudantes participantes do programa foram contratados. As formações variam entre três a cinco meses.

(O outro programa é o Fast-Track, voltado à capacitação rápida de profissionais com experiência na área de tecnologia, mas que estão em transição de carreira e/ou desejam trabalhar com novas plataformas).

De acordo com Gil Torquato, CEO da Compasso, a empresa investirá, só no ano de 2021, aproximadamente R$ 2 milhões no Compasso Academy, que é a mais importante porta de entrada de talentos da empresa, que tem hoje 2 mil funcionários, o dobro do que tinha no final de 2019.

“Esta nossa iniciativa visa ajudar a desenvolver o mercado de tecnologia, que historicamente enfrenta defasagem de mão de obra qualificada”, aponta Gil Torquato, CEO da Compasso. 

O programa em parceria com a Unama faz bastante sentido para a Natura, que tem na defesa da Amazônia uma das suas principais bandeiras de responsabilidade social.

A empresa tem uma linha de produtos baseada em matéria prima da região, produzida de maneira sustentável numa área total de 1,8 milhão de hectares (12 vezes a cidade de São Paulo) por 5,5 mil famílias. 

Em 20 anos, o volume de negócios já chega a R$ 1,8 bilhão. 

“Inovar não se trata apenas de criar novidades tecnológicas, mas quebrar paradigmas e propor soluções criativas que gerem retorno para a sociedade, atendendo a necessidades reais”, afirma ressalta Agenor Leão, vice-presidente da plataforma de Negócios Natura &Co América Latina. 

No último trimestre de 2020, a Natura teve uma receita líquida de R$ 12 bilhões, um aumento de 24,3% frente ao mesmo período do ano anterior.

Um dos pontos fortes foi o crescimento do social selling, como a empresa chama as vendas online feitas pelas revendedoras da marca, que aumentou 79%, embalada pela alta do e-commerce.

Fundada na década de 70, a Universidade da Amazônia é uma instituição tradicional na região. Ela foi adquirida em 2014 pela Ser Educacional, um grupo de ensino superior forte no Norte e Nordeste, com um total de 218 mil alunos.

A Compasso também é produto de uma história de aquisição.

Fundada em Passo Fundo, no interior do Rio Grande do Sul, a empresa foi adquirida pela UOL Diveo em 2013. Na época, o foco era tecnologia Oracle e a empresa tinha 170 funcionários.

Hoje o portfólio inclui as tecnologias mais faladas do momento, sob o guarda chuva “transformação digital”: RPA, chatbots, reconhecimento facial, IoT e Big Data.

No ano passado, a UOL fez um movimento chamativo, vendendo o UOL Diveo, sua operação de data center corporativo, para o grupo fundo de investimentos americano Colony Capital, que criou a partir dela a Scala Data Centers.

A empresa ficou com o negócio de tecnologia, a Compasso, comprando quase a totalidade das ações e apostando na continuidade do nome.