Marcos Balestrin apresenta case no BPM Day Santa Catarina. Foto: divulgação.

A Brasil Foods - BRF, resultante da fusão de Sadia e Perdigão que fechou 2011 com lucro de R$ 1,6 bilhão e receita líquida de R$ 25,7 bilhões, alta de 13,3% sobre 2010, adotou o SoftExpert Excellence Suite, da joinvilense SoftExpert, para gestão de processos.

Conforme Marcos Balestrin, gerente Administrativo de Informações e Processos da BRF, a implantação mudou um cenário composto, anteriormente, por números excessivos de projetos, falta de priorização, foco e definições.

“Também havia excesso de SKU’s liberados e poucos utilizados”, explicou o gestor durante apresentação no BPM Day Santa Catarina nesta terça-feira, 28.

Com a solução, a situação hoje é outra: antes, segundo Balestrin, a BRF usava uma planilha de follow-up de projetos, que hoje ficam integrados no SE Suite.

“O controle pode ser realizado de qualquer lugar, fator importante para uma empresa que importa para 140 países e tem no exterior sete unidades industriais e 19 escritórios”, comenta o gerente.

Ainda de acordo com o executivo, considerando entradas e saídas mensais, a Brasil Foods usou a ferramenta da SoftExpert para gerenciar 949 projetos só no último mês.

Atualmente, a gigante do setor de alimentos possui 51 mil atividades de projetos registradas.

Balestrin também citou o uso da ferramenta para a gestão de documentos.

“A exemplo dos projetos, toda a documentação está associada no SE Suite e pode ser visualizada de qualquer lugar”, comemora o gerente.

Na BRF, a suite da fornecedora joinvilense também é utilizada no processo de Solicitação de Desenvolvimento de Produto, o que amplia os recursos em estratégia de marcas, definição de consumidores e posicionamento de preços.

Aspectos técnicos também são favorecidos, como formulação, embalagem, capacidade produtiva e disponibilidade de matéria prima, todos processos registrados e analisados no SE Suite para, posteriormente, serem discutidos pelo Grupo de Análise Crítica (GAP) da BRF.

A SoftExpert atua em software e serviços para gestão, processos de negócio, conformidade regulamentar e governança corporativa.  

A empresa, que atende a cerca de dois mil clientes, não divulga dado de faturamento, mas revela que projeta crescer mais de 30% no Brasil em 2012.

Já no exterior, onde a empresa atua com 30 revendas, além de parceiros, as vendas representaram 20% da receita em 2011, o que a companhia pretende elevar a 50% dentro de três a cinco anos.

Objetivo bastante plausível, levando-se em conta os resultados recentes: no ano passado, as vendas externas da catarinense cresceram 145%, contra 25% de alta no mercado brasileiro.

Além da BRF, outros nomes de peso compõem a carteira da SoftExpert, como Mitsubishi, Sebrae e Carrier.

Ao todo, são mais de 300 mil usuários das soluções da joinvilense.