Equipe da Nexoos. Foto: Divulgação.

A Nexoos finalizou na última terça-­feira, 27, sua primeira rodada de investimentos no Brasil. A plataforma online ajudou 4 empresas a captar R$ 437,5 mil de 41 investidores diferentes, que em troca receberão retornos que variam de 135% a 160% do CDI. 

A nova classe de investimentos é conhecida como peer-­to-­peer (P2P) lending.

Segundo o CEO da Nexoos, Daniel Gomes, a proposta é desbancarizar empréstimos e investimentos, deixando essas operações mais vantajosas para os dois lados.

“Geralmente o banco capta dinheiro de pessoas físicas por meio da poupança ou CDB, por exemplo, e empresta para outras pessoas e empresas a uma taxa muito maior do que captou. Esse é o famoso spread bancário, que no Brasil é o segundo maior do mundo. Nossa ideia é conectar pessoas físicas (investidores) diretamente com empresas que precisam de crédito”, explica.

Ele relata que, dessa forma, a empresa consegue um taxa em média 50% menor do que conseguiria no banco.

“Já o investidor consegue uma taxa de retorno de até 180% do CDI, muito maior do que CDB ou poupança”, completa Gomes.

A Nexoos, fundada em 2014, é acelerada atualmente em São Paulo pela Oxigênio. A aceleradora é uma parceria da Porto Seguro com a Plug and Play, uma das maiores aceleradoras do mundo, situada no Vale do Silício.

Os empréstimos peer-­to­-peer representam um mercado de aproximadamente US$ 65 bilhões globalmente. A modalidade faz muito sucesso em países como Estados Unidos e Inglaterra, onde até bancos públicos investem em pequenas e médias empresas.

No Brasil, a modalidade P2P é uma das novidades trabalhadas pelas fintechs, startups de tecnologia que atuam com serviços financeiros.

A Nexoos trabalha com a Socinal como instituição financeira parceira para oferecer os serviços e estar de acordo as exigências do sistema financeiro e do Banco Central. 

Os empréstimos e investimentos ocorrem na forma de operação ativa vinculada (OAV), na qual a solicitação da empresa é representada por um CCB (Cédula de Crédito Bancário), que é vinculada aos RDBs (Recibos de Depósito Bancário) dos investidores.

"Em investimentos como CDB e Tesouro Direto, é preciso esperar o contrato acabar para resgatar seus rendimentos. Na Nexoos, o investidor recebe os rendimentos todos os meses em sua conta bancária. É uma ótima opção para diversificar os investimentos”, ressalta Daniel.

O prazo do investimento depende da solicitação da empresa aprovada, que pode variar de 3 a 24 meses. 

“Além de uma checagem automática de alguns dados assim que a empresa se cadastra, também fazemos checagens nos bureaus de crédito e uma análise de crédito rigorosa com base nos documentos e demonstrativos financeiros enviados pela empresa. O resultado desse processo é um relatório para auxiliar a tomada de decisão dos investidores”, explica.

Para começar a investir, é necessário dispor de pelo menos R$ 10 mil para fazer o aporte inicial em um portfólio de empresas aprovadas.

A próxima rodada de investimentos da Nexoos pretende captar R$1 milhão e será aberta no dia 17 de outubro.