Todo mundo na briga contra o grandão. Foto: Pixabay.

A Microsoft e a IBM deram um passo adiante na competição com a AWS pelo mercado de computação em nuvem, com a formação de um acordo chamado The Bandwidth Alliance, pelo qual as companhias (junto com algumas outras de menor porte) se comprometem a diminuir os custos de movimentação de dados entre elas.

O catalisador da iniciativa é a Cloudflare, uma companhia de aceleração de entrega de conteúdo (CDN, na sigla em inglês), por meio dos quais os dados da empresa vão trafegar e cujos clientes serão beneficiados pela redução de custos. 

A empresa já tinha um acordo na mesma linha com o Google, pelo qual afirma ter derrubado os custos de transferência em 75%. A Cloudfare compete diretamente com um serviço da AWS chamado CloudFront.

Além da IBM e Microsoft, também outros oito players menores, como a Backblaze, especializada em storage na nuvem e a DigitalOcean, provedora de serviço de hosting Digital Ocean. 

Toda a estratégia é se contrapor à prática da AWS, líder isolada do mercado: a empresa não cobra para receber dados, mas cobra quando o usuário quer baixar as informações para trocar de fornecedor.

A Cloudfare não tem um escritório no Brasil e a reportagem não tem notícias de movimentações da empresa por aqui.

Mas isso não quer dizer que a novidade não possa ser benéfica para organizações brasileiras, uma vez que a participação na aliança está aberta a players de CDN com presença aqui, como a Akamai.

A AWS não está parada: ela já fechou acordos do tipo com a SalesForce, pelo meio do qual clientes mútuos podem mover dados sem custos. Microsoft, Adobe e SAP anunciaram uma parceria similar nesta mesma semana.

Em entrevista a Reuters, o CEO da CloudFare, Matthew Prince, disse que a ideia é transformar a Bandwidth Alliance numa associação independente ou entidade sem fins lucrativos, favorecendo a entrada de mais players.

"Hoje você tem que escolher um provedor e ficar com ele para sempre. Estamos vendo atitudes em relação a isso mudarem”, afirma Prince.

Em maio, o Gartner reduziu pela metade o número de empresas analisadas no seu Quadrante Mágico para Infraestrutura como Serviço (IaaS). 

Entre as empresas que permanecem na análise, AWS e Microsoft estão disparadas na frente na área de líderes, seguidas de longe pelo Google. Alibaba Cloud, Oracle e IBM aparecem na categoria players de nicho.

O setor é liderado pela AWS, com 44,2% do mercado. A lista segue com Microsoft (7,1%), Alibaba (3%) e Google (2,3%).

A liderança isolada da AWS tem gerado todo tipo de reações. Oracle, SAP, General Dynamics, Red Hat, VMware, Microsoft, IBM, Dell Technologies e Hewlett Packard, por exemplo, estão fazendo uma frente única de lobby para convencer a Pentágono a não entregar a um só fornecedor (que provavelmente seria a AWS) um contrato de computação em nuvem de US$ 10 bilhões.