Carlênio Castelo Branco, CEO da Senior. Foto: Divulgação.

A Senior, companhia de Blumenau especializada em software de gestão, RH e controle de acesso, fechou o terceiro trimestre com uma receita de R$ 58 milhões, superando em 29% o valor alcançado pelo grupo no mesmo período do ano anterior. 

A margem EBITDA (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) no período foi de 24% e apresentou um crescimento de 95% frente o terceiro trimestre de 2014.

A cifra de crescimento representa uma melhoria frente aos resultados trimestre passado, quando a companhia cresceu 22% no comparativo ano a ano. A margem EBITDA permaneceu estável.  

O grande destaque dos números fica por conta dos sistemas para gestão ofertados pela empresa, que contribuíram para que os resultados fossem superados em 102%. 

“Quando o cenário se apresenta ainda mais competitivo e desafiador, as decisões precisam ser tomadas com velocidade e precisão. E nossas soluções têm se mostrado cada vez mais eficientes neste contexto”, afirma o CEO da Senior, Carlênio Castelo Branco. 

De acordo com o executivo, aderiram aos produtos da Senior companhias como Correios e Fame, e expandir o uso dos produtos da companhias outras como Volkswagen, Karsten, Crediminas, Univali e Braskem.

O porfólio da Senior inclui soluções em ERP, gestão de pessoas, acesso e segurança, BI, workflow, mobilidade e um pacote completo de implantação, consultoria e suporte em TI

Castelo Branco mantém a expectativa de investir mais de R$ 35 milhões em pesquisa, desenvolvimento e inovação, sempre oferecendo alternativas de crescimento para seus clientes. 

A meta da Senior é fechar o ano com uma alta de faturamento de 25%, o que significaria um resultado de R$ 240 milhões.

A meta está abaixo do resultado obtido no ano passado, quando a empresa cresceu 36% e é uma revisão para baixo dos 30% estabelecidos como objetivo no final de 2014.

Mesmo assim, a Senior está conseguindo crescer mais rápido que a média do mercado de software. 

A Totvs, referência no mercado de software de gestão, cresceu apenas 2,7% no segundo trimestre, uma queda frente aos 6,7% do segundo (ainda não saíram os resultados do terceiro), ainda que siga sendo uma empresa bem maior: o faturamento foi de R$ R$ 451,4 milhões. Todas as comparações são na base ano a ano.

Players de menor porte com os quais a Senior concorrem também estão crescendo nessa faixa. A Mega, empresa de sistemas de gestão sediada em Itu, no interior de São Paulo, faturou R$ 68,5 milhões em 2014, uma alta de 6% em relação ao ano anterior.

Uma empresa que tem um crescimento similar é a Rede Cigam, fornecedora de software de gestão empresarial sediada em Novo Hamburgo, no Rio Grande do Sul, encerrou o ano de 2014 com faturamento de R$ 53 milhões, uma expansão na casa dos 28% sobre o ano.

No longo prazo, a Senior trabalha com a meta de chegar a 2022 com um faturamento de R$ 1 bilhão.

Fundada em 1988 em Blumenau, a companhia possui 6 filiais (São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e Pernambuco), 2 unidades de negócios nas áreas de segurança patrimonial e logística e cerca de 100 canais de distribuição em todo o Brasil.