Fabio Coelho e Geraldo Alkmin durante a assinatura. Foto: A2 Fotografia / Gilberto Marques

O governo de São Paulo assinou um acordo com o Google nesta quarta-feira, 27, pelo qual os 4,3 milhões de alunos da rede de ensino estadual terão acesso a e-mails personalizados com 25 GB.

Além disso, as 5 mil escolas estaduais poderão usar hangouts para interação em tempo real entre estudantes e professores, além de possibilitar a criação de grupos por disciplina ou área de interesse e a criação de redes sociais e canais para escolas, diretorias e setores administrativos. 

Os educadores paulistas receberão treinamento e capacitação da equipe de educação do Google e deverão começar a funcionar a partir do próximo ano letivo, em fevereiro de 2014.

O acordo, divulgado como uma iniciativa inédita no mundo, representa uma passada de perna da Google na Microsoft, que assinou um acordo muito similar no final de outubro, quando a multinacional “doou” licenças do Office 365 Pro Plus para os mesmos 4,3 milhões de alunos.

Pelos termos do acordo da Microsoft, no entanto, para ter acesso ao serviço, as escolas dos alunos deverão possuir contrato de licenciamento para o Office 365 ProPlus ou o Office Professional Plus para funcionários e professores.

A doação de software para os alunos seria assim um estímulo para a migração de instituições que usem software open source ou mesmo versões piratas dos produtos Microsoft, mais do que compensando a doação de software para estudantes que nunca pagariam o mesmo de qualquer maneira.

Oferecendo um pacote de soluções similares sem pré-condições, o Google passou a perna bonito na concorrente.

Em nota enviada à redação do Baguete, a Microsoft discorda da ideia de que tenha sido ultrapassada de alguma maneira pelo Google. A empresa reitera “seu compromisso com a capacitação de jovens no Estado de São Paulo” afirma que não “impõe” a aquisição do Office 365 a nenhuma instituição de ensino e que a oferta é um benefício para escolas que já utilizem o Office 365 na área administrativa.