Nuvem mal gerenciada traz mais despesa, diz Symantec. Foto: divulgação.

Um estudo divulgado pela Symantec revelou problemas e custos ocultos que as empresas estão deixando passar em branco, devido ao uso irregular da nuvem em sua estratégia de negócio.

Sobre a adoção crescente da nuvem, o estudo destaca que 90% das empresas mundiais e mais de 80% das empresas brasileiras está pelo menos discutindo sobre a adoção da nuvem - o número global era de 75% há um ano.

A Symantec alerta que grandes empresas e PMEs estão observando custos crescentes atrelados ao "uso irregular" das nuvens, backup/recuperação complexos e armazenamento ineficiente.

O "uso irregular" das nuvens é definido por grupos de negócios que implementam aplicações de nuvem pública que não são gerenciadas por ou integradas na infraestrutura de TI da companhia.

Para estabelecer estas falhas, a Symantec definiu cinco campos decisivos onde a implementação da nuvem pode fazer a diferença ou se tornar um problema sério para as empresas.

O primeiro ponto é na implementação, com grande incidência de projetos de implantação de nuvem que comprometem a estrutura da empresa, com exposição de informações e falta de segurança nas contas dos usuários. No Brasil, cerca 82% das empresas tiveram problemas desta natureza.

Backup e recuperação da nuvem forma outro ponto crítico para as companhias. Segundo a Symantec, as empresas utilizam cerca de três ou mais soluções para fazer o backup de seus dados, provocando um aumento dos custos de treinamento, ineficiências da TI e risco.

No mundo, 47% das empresas de grande porte e 36% das PMEs perdeu dados na nuvem. No Brasil, o número é de 44% e a maioria enfrentou falhas na recuperação.

O armazenamento é um dos mais fortes atrativos do uso da nuvem. No entanto, como aponta a pesquisa, às vezes essa simplicidade leva ao armazenamento ineficiente.

No mundo inteiro, as organizações se esforçam para manter uma taxa de utilização do armazenamento acima de 50%. Contudo, de acordo com a pesquisa, a utilização global do armazenamento na nuvem fica em apenas 17%.

As grandes empresas usam cerca de 26%, enquanto as PMEs usam apenas 7%. Já no mercado brasileiro, 66% das organizações admite que uma parte pequena de seus dados na nuvem tem eliminação de dados duplicados, agravando o problema.

Outra alerta da pesquisa se refere aos requisitos de conformidade na nuvem. No mundo, 49% das empresas estão adequadas às regras - no Brasil, esse percentual cai para 46%.

Essa preocupação com as informações na nuvem é bem fundada, afirma a Symantec, pois 23% das organizações mundiais e 30% no Brasil foram multadas por violações de privacidade na nuvem.

O tráfego seguro de dados é outro dilema. A pesquisa mostrou que as empresas consideraram o gerenciamento de muitos certificados SSL algo altamente complexo.

Apenas 27% das empresas no mundo e 32% no Brasil classifica o gerenciamento de certificados SSL como fácil.

SOLUÇÕES

Este uso errado pode causar problemas sérios em 2013, com foco nas pressões financeiras e nos desafios de segurança impostos pela computação na nuvem.

Tanto o Gartner quanto o IDC veem a continuidade dos negócios como um problema importante, com o aumento nas interrupções da nuvem representando mais riscos do que as violações de segurança.

Com preparo antecipado, as organizações podem criar nuvens seguras, ágeis e eficientes que lhes permitam alcançar seus objetivos comerciais.

Algumas dicas da Symantec para otimizar as operações em nuvem e reduzir custos são manter o foco das políticas nas informações e pessoas, não nas tecnologias ou plataformas; instruir, monitorar e aplicar políticas; adotar ferramentas que independem da plataforma e elimine dados duplicados na nuvem.