AWS quer emplacar seu serviço de e-mail. Foto: divulgação.

A Amazon Web Services continua sua investida para abocanhar fatias cada vez maiores do mercado de cloud. A novidade agora é que a companhia de Jeff Bezos planeja lançar em breve seus serviços próprios de e-mail e compartilhamento de dados, de olho no corporativo.

Segundo matéria publicada pela Forbes, a Amazon planeja para este ano o lançamento do WorkMail (correio eletrônico) e Zocalo (compartilhamento), aplicações para o usuário final e destinadas a concorrer com marcas como Google e Dropbox.

De acordo com, o lançamento destes dois produtos, previsto para o segundo trimestre de 2015, mostram uma aproximação ainda mais latente entre a AWS e seus consumidores finais, saindo apenas dos serviços de alocação em cloud.

O WorkMail e o Zocalo podem ser vistos como extensão de produtos já apresentados pela companhia em 2014, como foi o caso do Amazon WorkSpaces, oferta de Desktop as a Service (DaaS). Para a Amazon, o WorkMail leva esta intenção adiante.

Conforme destacou Thomas Dohler, gerente do projeto, o e-mail é agora parte dos processos de negócios, armazenando a maioria das informações críticas das empresas. O objetivo da Amazon é vender o WorkMail como uma ferramenta mais segura que as concorrentes, contando com tecnologias próprias de criptografia e customizações de segurança definidas pelo cliente.

Com isso, a Amazon mira emplacar sua ferramenta de e-mail no segmento corporativo, agregando ao produto funcionalidades como agendas e caixas compartilhadas. Além disso, a novidade também conta como o AWS Management Console.

Na parte de preços, a companhia também pretende ser competitiva. O Amazon WorkMail custará US$ 4 por usuário ao mês, contando com uma caixa de 50 GB - com o Zocalo, com uma caixa de 200 GB, o preço fica em US$ 6.

Para analistas, agora resta saber se a ambição da Amazon vai vingar. A empresa conta com uma presença respeitável no mercado de storage. Entretanto, com a concorrência pesada de companhias tradicionais como Google e Microsoft, pode não ser tão fácil.

Segundo Ben Kepes, da Forbes, um exemplo a não ser seguido pela Amazon é o da VMWare, marca consagrada no mercado cloud, mas que naufragou em sua tentativa de ter um serviço de e-mail, o Zimbra.