Ideval Munhoz. Foto: divulgação.

A T-Systems, provedora alemã de soluções e serviços em TI, quer intensificar ainda mais sua presença fora do eixo Rio-São Paulo, apostando em novos negócios e verticais para sustentar a expansão geográfica no país.

Um dos indicativos para esta aceleração da companhia tem a ver com o crescimento da empresa em novos contratos. De acordo com a multinacional, a empresa fechou 2014 com 80% de crescimento em seu número de novos negócios.

Para Ideval Munhoz, presidente da T-Systems no Brasil, boa parte destes contratos vem de empresas de médio porte, um foco recente da companhia e que deve ganhar tração em 2015. Atualmente, cerca de 30% do faturamento da empresa vem de empresas médias.

"Acreditamos que ainda temos muito a crescer em ofertas cloud, como as de plataforma e software como serviço, reduzindo a necessidade de investimento do cliente em infraestrutura e atraindo empresas com budgets menores", avalia.

Além de manter as estratégias de 2014 que deram bons resultados, a companhia também se prepara para ampliar negócios com plataformas da Oracle, de quem a T-Systems é parceiro, e que firmou em 2014 uma postura ainda mais engajada em produtos e aplicações cloud.

De acordo com o executivo, a expectativa é de que os contratos fechados ao longo de 2014 evoluam para novos negócios, principalmente com a tecnologia de identificação por rádiofrequencia (RFID) e em projetos máquina-máquina (M2M). 

“Essa tendência é mais forte na indústria têxtil e de varejo, com foco na gestão da cadeia de suprimentos e centros de logística e distribuição”, diz.

Ao falar de verticais, Munhoz aponta um esforço da companhia em levar seus produtos além do setor de manufatura e automobilístico, expertises da empresa. Para o presidente, segmentos como varejo, agronegócio e saúde representam um grande potencial para a provedora.

"Em Minas Gerais, por exemplo, vemos um grande potencial na bens de consumo, enquanto que no Rio o segmento de serviços é promissor. Em São Paulo, estamos focando atentamente no segmento varejista", afirma.

Um dos grandes projetos da T-Systems para 2015 envolve o megacontrato global que a empresa, braço da gigante Deutsche Telekom, firmou com a também alemã ThyssenKrupp, assumindo a tarefa de migrar 80 mil computadores e 10 mil servidores da companhia para a cloud.

No Brasil, a T-Systems conta com quatro centros de dados no país, que servirão para apoiar os sistemas de sete unidades que a ThyssenKrupp tem no Brasil: Rio de Janeiro, duas em São Paulo, e outras em Minas Gerais, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Para Munhoz, a região Sul foi um claro destaque para a empresa em 2014, com crescimento de 100% e expectativa de manter este ritmo em 2015. Para o executivo, o foco dos negócios deve se manter nos setores têxtil, varejo, cooperativas, finanças e serviços.

"Desde 2006, quando criamos um centro de desenvolvimento em Blumenau, apostamos pesado no potencial da região para os nossos negócios, o que vem dando resultado ano a ano", comenta, apontando que em nove anos, o número de funcionários no centro subiu de 100 para 400, inclusive exportando projetos para clientes no exterior.

Outro foco será o crescimento dos projetos de mobilidade e de transformação de infraestrutura legada em aplicações corporativas, a exemplo do que já acontece na gaúcha Stara, que implementou o ERP SAP e agora está desenvolvendo aplicativos móveis para suas equipes de campo.

No Sul, Munhoz cita contratos como o da Stara, referência nacional em equipamentos agrícolas, e a paranaense BR Foods, empresa criada pela fusão da Perdigão e Sadia. Com a BRF, a empresa passou a ser a desenvolvedora de aplicações de gestão para a fabricante de alimentos.

"A projeção de crescimento da T-Systems no Sul para este ano é de 25% e o objetivo é que, nos próximos cinco anos, o Sul represente 20% de nossos negócios no país. Hoje a região tem forte demanda por serviços de fábrica de software, soluções AMS e computação em nuvem, principalmente plataforma e software como serviço”, detalha.