Patrício Jouri, gerente de TI da Kepler Weber.

A Kepler Weber, empresa líder da América Latina em armazenagem de grãos e movimentação de granéis, fez o go live do seu sistema de gestão da SAP, em um projeto conduzido pela Tech Mahindra.

O projeto consumiu 22 meses de trabalho de 40 consultores e 50 funcionários da Kepler Weber e envolveu a implementação de 23 módulos. Foram treinados 873 colaboradores.

Além dos módulos do ERP, foram implementadas ferramentas de Business Inteligence, Governança, Risco e Compliance e nota fiscal eletrônica. 

“Optamos pelo ERP por sua robustez, capaz de suportar o crescimento da nossa empresa. A ferramenta foi totalmente customizada pela consultoria para atender o ramo de silos”, afirma o diretor Industrial da Kepler Weber, Manoel Piragibe, sponsor do projeto.

O ramo de silos tem particularidades que o diferenciam de outras operações industriais. Cada silo vendido é um produto único, customizado para o cliente e com cerca de seis mil componentes.

Por isso, estão cadastrados na empresa milhares de componentes ativos e inativos. Devido a este alto volume e à granularidade de componentes, o cadastro e a forma de custeio dos materiais foram os maiores desafios da equipe do projeto. 

“O ERP SAP tem como característica de venda a precificação do produto, dado seus componentes. Na Kepler Weber, primeiro se especifica o silo e depois se rateiam os custos dos itens”, explica o VP de Delivery da Tech Mahindra, José Carlos Pimentel.

Segundo Pimentel, o projeto também foi o primeiro a fazer uso do Variant Configuration da SAP para fabricação de silos. 

Outro destaque foi a utilização do ITSM (Service Management) no SAP Solution Manager, para a gestão eficiente de incidentes durante os Testes Integrados.

A implantação do ERP da SAP, que substituiu uma solução Datasul, gerou uma ampla remodelação do ambiente de TI da companhia.

Para dar suporte ao novo sistema, a Kepler Weber fechou com a ATI Solutions, representante da Aceco TI no Rio Grande do Sul, a construção de um novo data center em Panambi, cidade a 370 km de Porto Alegre onde a empresa está sediada

“Com o novo data center, aumentaremos a disponibilidade e segurança, além da performance para as áreas de negócio”, aponta o gerente de TI da Kepler Weber, Patrício Jouri.  

Segundo Jouri, as condições de telecomunicações (Panambi só é servida pela Embratel, sem redundância) e o uso intensivo de dados por parte de 100 usuários da área de engenharia fizeram a Kepler Weber decidir investir em um data center local.

A própria contratação de Jouri faz parte das mudanças em curso. O executivo paulista veio para a Kepler Weber em 2012 vindo da Borrachas Tipler, de São Leopoldo. 

A Kepler Weber é o maior player do mercado de armazenagem de grãos do país, com faturamento de R$ 594,8 milhões em 2013, uma alta de 40%.

Executivos da empresa estimam que o faturamento do setor como um todo deve atingir R$ 1,5 bilhão em 2014, o que dá uma ideia da relevância da Kepler nesse mercado.

A Tech Mahindra é uma gigante indiana com faturamento de US$ 3,09 bilhões no seu último ano fiscal, fechado em março do ano passado.

A empresa entrou forte no mercado SAP brasileiro a partir da compra em 2013 de 51% da Complex IT em um negócio de US$ 6,5 milhões que, na época, podia chegar a US$ 23 milhões, com base no desempenho da empresa.

Desde então, a empresa fechou projetos importantes no agronegócio, incluindo Monsanto, C.Vale – Cooperativa Agroindustrial e Nidera.