Grandes organizações precisam seguir dando manutenção a sistemas legados escritos em Cobol para rodar em mainframes.

O HSBC Argentina contratou a Stefanini para fazer uma formação de novos profissionais especializados em Cobol. 

O projeto “Escuela de COBOL” durou um ano e nove meses, terminando ao final de 2018 com a formação de 10 profissionais.

Ele incluiu em uma primeira fase a seleção de potenciais, a cargo da Stefanini; seguido da  capacitação e treinamento dos candidatos e a alocação dos recursos no banco.

A Stefanini também fez o controle das atividades, feedback, realização de ajustes necessários, avaliação de desempenho, formação dos profissionais em sinergia com o negócio e ampliação da senioridade da equipe.

“Existe uma demanda no sistema financeiro por profissionais treinados em tecnologias mais antigas como o Cobol. Recrutar esse tipo de perfil tornou-se um grande desafio para a indústria”, diz Fabio Venditti, Head of Core Banking do HSBC Argentina.

No mercado desde os anos 60, o Cobol é a linguagem usada para programar computadores do tipo mainframe.

Assim como os mainframes, o Cobol já teve o seu fim previsto em inúmeras ocasiões, apenas para seguir existindo por mais uma década depois.

Isso causa problemas para grandes empresas, principalmente no segmento financeiro, que precisam seguir dando manutenção a sistemas legados escritos em Cobol para rodar em mainframes.