CRISE

Indústria: 66% não demitiram

29/05/2020 08:52

Estudo encomendado pela CNI ouviu 1.017 executivos em todas as regiões do Brasil. 

74% do setor industrial foi impactado pela pandemia. Foto: Pexels.

Tamanho da fonte: -A+A

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) apontou que 66% das indústrias não demitiram funcionários em decorrência dos efeitos da crise, embora 74% delas tenham sido impactadas pela pandemia de Covid-19.

De acordo com o site Poder 360, o estudo foi realizado pelo FSB Pesquisas entre 15 e 25 de maio.  Foram entrevistados, por telefone, 1.017 executivos do setor industrial em todas as regiões do Brasil. 

O nível de confiança da pesquisa é de 95% e a margem de erro é de 3 pontos percentuais.

Entre os executivos que conseguiram não demitir empregados, 75% disseram que pretendem manter seus quadros de funcionários intactos.

Já entre aqueles que demitiram, 78% afirmam que a redução no quadro de funcionários deve ser temporária. A maior parte do grupo, 42%, pretende efetuar novas contratações em até seis meses.

Quando a fechar mais postos de trabalho, 48% delas pretendem efetuar novas demissões, e 48% querem manter o atual quadro de empregados. Os outros 4% não sabem ou não responderam.

O estudo também indicou que 39% das empresas foram impactadas por reduções na jornada de trabalho e 22% pela suspensão temporária de contratos. Neste último caso, a média de suspensão de contratos é de 3 meses.

Já 11% dos funcionários do setor estão trabalhando em home office.

A pesquisa indica que 82% dos entrevistados tiveram redução do faturamento nos últimos 45 dias. Além disso, 3 em cada 4 empresas diminuíram ou paralisaram a produção.

O estudo também apresenta as condições das empresas que mantiveram os negócios funcionando: 22% só conseguem se manter por mais 1 mês. Para 45% dos empresários, é possível manter as operações por até 3 meses.

Na opinião de 86% dos participantes, a receita do setor industrial deve cair em 2020. Ao analisar as próprias empresas, 64% disseram projetar redução da receita. O recuo estimado é, em média, de 37%.

Mais de a metade dos executivos, um índice de 56%, recorreu a políticas de auxílio do governo federal, percentual semelhante ao dos que renegociaram com fornecedores, 53%.

Para 70%, as políticas do governo são adequadas para minimizar os efeitos da crise. Mas apenas 39% disseram considerar as medidas eficazes.

Ainda de acordo com a publlicação a CNI afirmou que uma série de lideranças empresariais têm relatado dificuldades para acessar as linhas de créditos anunciadas pelo governo federal. Apesar disso, 58% dos executivos classificam como fácil ou muito fácil o acesso ao programa.

Para 77% dos empresários, a situação da Covid-19 no país é grave ou muito grave. Apesar disso, 42% se disseram contrários às medidas de isolamento social adotadas nos estados e municípios, três pontos percentuais a menos do que a parcela favorável à medida.

Quase a totalidade, 96%, dos entrevistados disse considerar importante ou muito importante adotar medidas de proteção, que são avaliadas como eficientes por 76% dos executivos.

No cenário pós-pandemia, 44% dos executivos acreditam que a economia do país vai crescer nos próximos dois anos e 63% planejam voltar a uma rotina igual ou muito parecida àquela anterior às medidas restritivas.

Quanto ao quadro de funcionários, 58% pretendem manter o mesmo número de empregados, enquanto 24% esperam reduzir postos de trabalho ao término do isolamento social. Os outros 17% têm expectativa de criar novas vagas.

Além disso, 59% esperam retomar a produção no mesmo nível anterior à pandemia e 23% pretendem elevar a produção, contra 18% que afirmam que a retomada deve ser em ritmo menor.

Para 76% dos entrevistados, medidas adotadas durante a pandemia devem ser mantidas por tempo indeterminado após o término do isolamento social.

Veja também

COLABORAÇÃO
MCTIC e Cisco vão criar plataforma de big data

Acordo assinado também prevê ações voltadas à cibersegurança e à indústria 4.0, além da Covid-19.

INDÚSTRIA 4.0
Conheça a linha Multi Jet Fusion da HP

Impressão 3D é o futuro da HP, conheça os produtos que a empresa já tem no mercado.

IMPOSTOS
Migrando para o S/4? Lembre-se do compliance tributário

É vital que a conformidade tributária seja vista como o eixo em torno do qual gira a roda da transformação digital.

FUTURO
Coronavírus mostra o poder da manufatura aditiva

Ao redor do mundo, impressoras 3D estão sendo usadas para produzir equipamentos médicos.

BATALHA
Gradiente entra no STF pela marca iPhone

Disputa judicial com a Apple vem desde 2013. Mal das pernas, Gradiente perdeu todas.

INDÚSTRIA
Marcopolo usará grafeno produzido na UCS

Área de engenharia da empresa estuda reduzir peso e aumentar resistência dos ônibus fabricados.

PROTEÇÃO
Empresas e associações criam “tinder” dos EPIs

EPIMatch propõe reunir oferta e demanda dos equipamentos necessários no combate ao coronavírus.

PÓS-COVID
BRDE tem programa de startups

Iniciativa vai ser operacionalizada pela aceleradora Ventiur em parceria com Aliança pela Inovação.

RETOMADA
Santa Catarina libera indústria para capacidade total

Governo revogou portaria que permitia apenas a metade da capacidade de produção instalada por turno de trabalho.

AMÉRICA LATINA
Lenovo Data Center tem novo líder de HPC

Roberto Brandão lidera a área, enquanto Gustavo Stringueta é o novo head de vendas de storage no Brasil.