Raymundo Peixoto, vice-presidente de soluções enterprise da Dell para a América Latina. Foto: Baguete.

O Grupo Boticário renovou em 2018 seu parque de servidores voltado para a solução SAP BW/4HANA com equipamentos da Dell EMC. O ambiente SAP da companhia soma cerca de 40 TB.

Com a atualização tecnológica, a empresa reduziu o parque de 48 racks para 12.

“O Boticário vem crescendo muito e, obviamente, demandando mais tecnologia. Nesse caso existe a opção de continuar fazendo mais do mesmo ou transformar a TI para entregar mais agilidade, disponibilidade e performance para as áreas de negócios. Há pouco mais de dois anos iniciamos um trabalho que segue o caminho da transformação”, relata Fernando Almeida, head de infraestrutura de data center do Boticário, que participou do Dell Technologies Fórum nesta terça-feira, 28.

Dentro deste processo, o Boticário também trocou seus equipamentos de armazenamento por produtos Dell EMC, passando de 35 para 12 racks.

O projeto de atualização da infraestrutura também contou com a implantação do Dell EMC Data Domain com o objetivo de obter uma solução de disaster recovery com replicação e integração simples com o software de backup já existente.

As ações de modernização suportam a estratégia de transformação digital do Grupo Boticário, que controla quatro unidades de negócio: O Boticário, Eudora, Quem disse, Berenice? e The Beauty Box. A empresa está presente em nove países e conta com 7 mil colaboradores diretos. 

Com o processo de transformação digital, a empresa definiu a utilização de um modelo de nuvem híbrida. Além dos data centers próprios (dois localizados na Bahia e dois em São José dos Pinhais), a empresa trabalha com as fornecedoras Azure e AWS.

“Todo nosso core é on-premise. Não temos workloads em nuvens públicas, e sim hospedagem de sites e blogs de algumas marcas. Hoje estamos em processo de estudo para verificar se faz sentido migrar determinadas aplicações para a nuvem pública, mas não vimos vantagem com os workloads atualmente por conta do custo”, detalha Almeida.

Para Raymundo Peixoto, vice-presidente de soluções enterprise da Dell para a América Latina, essa percepção tem acontecido em muitas empresas, que voltam atrás após levar aplicações para a nuvem pública.

“A nuvem pública permite à empresa iniciar uma nova operação com facilidade, apenas com um cartão de crédito passa a ter um ambiente no ar e funcionando de forma eficiente. No entanto, quando o volume de armazenamento começa a ganhar proporções maiores, os números não são convidativos para manter o ambiente em nuvem pública”, completa o executivo.

Para seguir o processo de atualização da infraestrutura, o próximo passo do Boticário é estudar soluções de redes definidas por software (SDN, na sigla em inglês) com o objetivo de aprimorar o ambiente de contingência.

*Júlia Merker viajou a São Paulo para o Dell Technologies Forum a convite da Dell.