RANKING

Brasil cai para a 81° em competitividade

29/09/2016 10:18

O país perdeu 6 posições em relação ao ano passado, alcançando sua pior colocação.

O Brasil caiu para a 81ª colocação no ranking de competitividade do Fórum Econômico Mundial. Foto: Pixabay.

Tamanho da fonte: -A+A

O Brasil caiu para a 81ª colocação no ranking de competitividade do Fórum Econômico Mundial. O país perdeu 6 posições em relação ao ano passado, alcançando sua pior colocação desde o começo da pesquisa, em 1997.

Nos últimos quatro anos, o Brasil caiu 33 posições no ranking. O estudo de 2016 conta com 138 países. O levantamento funciona como um termômetro do nível de produtividade e das condições oferecidas pelos países para gerar oportunidades de sucesso empresarial.

Depois de perder posições por quatro anos consecutivos, o Brasil está atrás de países como Albânia, Armênia, Guatemala, Irã e Jamaica.

O país também aumentou sua distância de países como México (que subiu 6 posições, para o 51º lugar), África do Sul, México, Costa Rica, Colômbia, Peru e Uruguai. 

A pesquisa é feita a partir de dados estatísticos e de pesquisa de opinião realizada com executivos dos 138 países participantes. 

O Fórum Econômico Mundial explica que 118 variáveis são analisadas e agrupadas em 12 categorias: instituições, infraestrutura, ambiente macroeconômico, saúde e educação primária, educação superior e treinamento, eficiência do mercado de bens, eficiência do mercado de trabalho, desenvolvimento do mercado financeiro, prontidão tecnológica, tamanho de mercado, sofisticação empresarial e inovação.

O relatório destaca que a economia brasileira foi afetada no último ano pela deterioração de fatores considerados básicos para a competitividade, como ambiente econômico, desenvolvimento do mercado financeiro e, principalmente, capacidade de inovação.

"O Brasil tem marco regulatório atrasado, infraestrutura deficiente e qualidade humana deficiente. Isso tudo gera perda de produtividade", diz Carlos Arruda, professor da FDC e coordenador da pesquisa no Brasil, segundo o G1.

Ele destaca entre as consequências da perda da competitividade, além da redução da atratividade para investimentos, a deterioração do mercado de trabalho e da renda.

"Todos os indicados sugerem que o Brasil chegou na sua pior posição. Se o país fizer reformas, melhorar a gestão pública, simplificar o marco regulatório, modernizar a legislação trabalhista e previdenciária, isso terá um efeito fantástico na posição do Brasil. Foi o que aconteceu com o México e está acontecendo com a Índia e a Colômbia", afirma o coordenador da pesquisa.

Entre as oportunidades promissoras para o país, o relatório cita a maior inserção internacional; espaço para o investimento privado; a internacionalização das empresas brasileiras; nova pauta de inovação tecnológica; e simplificação e modernização dos marcos regulatórios.

Já os principais desafios para se fazer negócios no Brasil apontados por executivos em pesquisa de opinião foram: tributação, corrupção, leis trabalhistas e ineficiência da burocracia estatal.

A edição 2016 do ranking não trouxe alterações nas 3 primeiras posições. A Suíça segue em 1º lugar pelo oitavo ano consecutivo. Cingapura e Estados Unidos seguem na 2ª e 3ª posições, respectivamente. 

Holanda e Alemanha inverteram as posições, completando o top 5. Suécia e o Reino Unido aparece na 6ª e 7ª posições. Japão e Hong Kong caíram duas posições cada, e Finlândia ficou em 10º lugar.

O Chile é o país da América Latina mais bem posicionado, subindo do 35º para o 33º lugar, seguido do Panamá (42º lugar).

Iêmen, Mauritânia, Chade, Burundi e Malaui ocupam os últimos lugares do ranking.

Veja também

GARTNER
Mercado de software de segurança cresce 3,7%

A receita mundial de software de segurança totalizou US$ 22,1 bilhões em 2015.

MELHORES PARA TRABALHAR
Veja a TI no ranking do GPTW

Entre as 35 multinacionais do ranking, 12 são da área de TI.

RANKING
TI domina PMEs que mais crescem

No ranking de 100 empresas, 41 são do segmento de TI.

IDC
Investimento em TI sobe 9,2% no Brasil

A média global de crescimento dos investimentos em TI foi de 5,6%.