Yang Yuanqing. Foto: divulgação.

A Lenovo anunciou na noite de quarta-feira, 29, a aquisição da Motorola Mobility, fabricante de smartphones que pertencia ao Google, em uma transação de US$ 2,91 bilhões. Com isso, os chineses agora se preparam para entrar agressivamente no mercado de telefonia.

Líder do mercado de PCs, desde que adquiriu a divisão de computadores pessoais da IBM em 2005, a Lenovo agora investe na diversificação de seus produtos. A empresa já vinha esboçando uma entrada no mercado de telefonia, com alguns modelos e aquisições pontuais, como o caso da CCE no Brasil, comprada por R$ 300 milhões.

Segundo analistas, a Lenovo pretende construir uma forte presença no mercado mobile na América do Norte e Latina, assim como no leste europeu.

Além do portfólio de produtos já existente da Motorola, a Lenovo também detém agora o roadmap futuro de lançamentos previstos para a marca adquirida.

O momento para a compra é relativamente bom, já que em sintonia com o Google e o Android, a Motorola emplacou dois pequenos sucessos em 2013 com o Moto X e o Moto G, aparelhos de alta perfomance, mas com preços acessíveis em relação a modelos da Apple e Samsung, que ainda dominam o mercado.

Mesmo assim, segundo destaca o TechCrunch, a reação não foi suficiente para tirar a Motorola do vermelho e para o Google recuperar o investimento de US$ 12 bilhões feito em 2011, quando adquiriu a marca.

"A Motorola perdeu bastante dinheiro - US$ 248 milhões no último semestre e US$ 192 milhões no primeiro semestre de 2013, então a tendência não é positiva. Além disso, anteriormente o Google já tinha vendido a divisão de set-top boxes da Motorola Mobility por US$ 2,4 bilhões", explicou o analista Matt Burns.

De acordo com especialistas, o Google realmente tentou com a Motorola, oferecendo produtos de qualidade e reforçando a estrutura interna da companhia, mas mesmo assim não foi o suficiente.

"Mesmo após despejar dinheiro e recursos na histórica marca norte-amercana, o Google não conseguiu fazer sua limonada com a Motorola. Talvez agora a Lenovo, atual líder em PCs, tenha melhor sorte", disse Burns.

Por outro lado, o Google ainda terá seus laços com a marca. Grande parte do portfólio de patentes da Motorola Mobility permanecerá nas mãos do Google, que serão licenciadas à Lenovo.

Segundo especialistas, a aquisição da Motorola marca de fato a transição da Lenovo de uma fabricante de PCs para uma empresa estabelecida de dispositivos móveis. A empresa já estava na tentativa há tempos. Inclusive, os chineses chegaram a fazer uma oferta pela Blackberry, empresa que também andava mal das pernas.

Para Yang Yuanqing, a aquisição transforma a Lenovo imediatamente em um dos maiores players do mercado mobile. Vale lembrar que, mesmo mal das pernas, a Motorola ocupa a terceira colocação no mercado global.

"A Lenovo tem um histórico de abraçar e fortalecer grandes marcas, como fizemos com a linha Think da IBM. Estou confiantes que seremos bem-sucedidos neste processo", afirmou o executivo da Lenovo.
 
Do lado do vendedor, Larry Page elogiou a Lenovo, e aposta na parceria com a fabricante para reforçar o ecossistema Android, no qual a Motorola seguirá sendo um dos principais players.

"Este passo capacitará o Google para destinar sua energia para inovar no ambiente Android, para o benefício dos usuários de smartphones em todo o mundo", declarou Page.