SAP decidiu dar uma reorganizada na casa. Foto: Pixabay.

A SAP vai dar uma sacudida na sua equipe, substituindo 4,4 mil funcionários, como parte de um esforço para fortalecer sua posição no mundo de computação em nuvem e simplificar o organograma.

Em uma conferência com analistas sobre os resultados do último trimestre, o CEO Bill McDermott afirmou que a empresa vai promover um plano de incentivo a aposentadoria, a um custo total estimado de US$ 1 bilhão.

“Essa não é uma medida de corte de gastos. Nós somos uma companhia em crescimento”, frisou McDermott em entrevista à Reuters.

De fato, a SAP espera crescer o seu headcount em 2019 apesar dos cortes, passando de cerca de 96 mil para 100 mil, mesmo depois de ter aumentado a base em 9% em 2018.

É a primeira grande sacudida no RH da SAP desde 2015. A empresa não deu maiores detalhes sobre em que países deve ser implementada a estratégia.

No ano fiscal 2018, a SAP teve um faturamento de €24,7 bilhões, uma alta de 5%.

A SAP está atravessando um momento de transição entre vendas de licenças de software por assinaturas de produtos na nuvem, causando um problema de migração de receitas comum em empresas de software da velha guarda.

A venda de licenças de software caiu 1%, mas ainda representa a maior parte do faturamento, com €15,6 bilhões no ano fiscal, enquanto as vendas de nuvem sobem 33%, mas representam só um terço disso, ao redor de €5 bilhões.

McDermott disse que a meta é triplicar as vendas de cloud até 2023.

Uma das questões que surge nesse tipo de migração é a necessidade de fazer uma mudança de perfis interna.

A SAP parece estar melhor encaminhada nessa missão do que a IBM, que está sendo acusada de fazer corte de profissionais mais velhos por debaixo do pano.