Intel de olho na Altera. Foto: divulgação.

O mercado se agitou no final da sexta-feira passada, 27, com a informação que a Intel está em conversas para adquirir a fabricante de dispositivos lógicos Altera, uma manobra para buscar crescimento além do mercado de PCs.

Segundo destacou a Bloomberg, o interesse da Intel na companhia norte-americana aumentou o valor de mercado da altera para cerca de US$ 13,4 bilhões, o que pode tornar a aquisição da fabricante o maior negócio da fabricante de chips desde a aquisição da McAfee em 2010, por US$ 7,68 bilhões.

De acordo com analistas, ao mirar a aquisição da Altera, a Intel está em busca de novos negócios para garantir o crescimento de suas operações, já que a parte de PCs, o carro-chefe da fabricante, está em declínio.

No primeiro trimestre de 2015, a companhia anunciou um corte de US$ 1 bilhão em sua previsão de vendas, ao reconhecer a queda nas vendas de PCs no mercado global. Segundo o IDC, as vendas de computadores pessoais devem cair 4,9% este ano.

Na parte de chips para dispositivos móveis, um dos mercados onde a Intel ainda está em busca de afirmação, também não aponta bons resultados. A empresa registrou um prejuízo operacional de US$ 4,2 bilhões nesta divisão em 2014.

Uma das luzes no fim do túnel da Intel é a divisão de data center, que teve lucro de US$ 7,28 bilhões e vendas de US$ 14,4 bilhões em 2014. 

Para analistas, Ao comprar a Altera, a Intel pode expandir sua área de atuação, produzindo chips inteligentes para setores como automotivo, aplicações industriais e comunicação entre equipamentos (Internet das Coisas), assim como reforçar sua presença em data centers.

"Isso seria um grande movimento para a Intel, uma mudança significativa de estratégia. Eles precisam diversificar além do mercado de PC. Os data centers foram uma tremenda fonte de recursos, já o mobile foi um grande desgaste financeiro", afirmou Betsy Van Hees, analista da Wedbush Securities à Bloomberg.

Um fator que pode facilitar a fusão é que a Intel já possui uma relação próxima com a Altera. Desde 2013, a fabricante de dispositivos lógicos tem parte de sua produção feita nas plantas da Intel. 

A Altera teve um lucro de US$ 543,4 milhões em 2014, com uma receita de US$ 1,93 bilhão. Já a Intel faturou cerca de US$ 55,9 no período

De acordo com especialistas, comprando a Altera, a Intel pode parcialmente compensar a sua necessidade de atualizar boa parte de sua plantas de manufatura, um processo que pode custar cerca de US$ 10 bilhões à marca.

“Faz sentido eles marcharem adiante caso adquiram a Altera. A Intel tem esta capacidade", afirmou Van Hees.