Telmo Costa.

O Grupo Meta, especializado em consultoria e outsourcing de serviços de TI, incluiu em sua oferta no final do ano passado a venda de licenças de softwares da SAP.

A empresa tem uma participação importante no ecossistema SAP, estando envolvida em grandes projetos como a implantação em curso na Herval, ou pioneiros, como a instalação do S/4 no Ceitec.

No entanto, até agora o Grupo Meta entrava com os serviços ligados à implantação, mas as licenças eram vendidas por parceiros da SAP.

“Esse é um passo importante para a empresa. Mostra o nosso comprometimento com o mercado SAP”, afirma Telmo Costa, presidente da Meta.

A Meta não abre dados de faturamento, mas a participação da área SAP cresceu de 15% cinco anos atrás para 60% em 2015.

Costa aposta que o negócio SAP pode crescer, à medida que deslanche no país a adoção do S/4, última versão do software de gestão da multinacional alemã, feita sob medida para rodar na plataforma de computação em memória Hana.

Um dos trunfos da Meta nesse contexto é ter feito um dos primeiros projetos com Hana no país. A implantação no Ceitec, estatal federal de semicondutores sediada em Porto Alegre, foi fechada no começo do ano passado.

O valor total fechado foi de R$ 1,88 milhão, com 30 profissionais envolvidos, entre as duas equipes. A iniciativa tem características únicas, como a integração com o Siafi, sistema de controle orçamentário do governo federal.

O S/4 Hana já tem 100 clientes em algum estágio de implantação no Brasil no seu primeiro ano de vendas, um terço do volume total da América Latina.

É um volume respeitável, se termos em mente que a base de clientes da SAP no país totaliza 3,7 mil clientes. Destas, ao redor de 70% são pequenas e médias, deixando o grupo das maiores com em torno de 1,1 mil organizações.

Os executivos da SAP no Brasil insistem que há clientes de todo tamanho migrando para o S/4, mas é evidente que uma mudança desse tipo exige clientes early adopters e com capacidade de investimento em tecnologia.

A lista de cases que vieram a público até o momento corrobora essa hipótese: Votorantim, Dasa, IRB e Grupo Bom Jesus, todas elas com faturamentos bilionários, foram algumas das empresas que adotaram o S/4 Hana.

Além da venda de novos projetos, a Meta tem contratos de sustentação em gigantes do ramo como Pão de Açúcar e Via Varejo.

Hoje, 300 dos 1,5 mil funcionários da companhia trabalham na linha de negócios SAP. Ela já é responsável por metade da receita. 

O crescimento nos últimos anos na área de SAP tem sido acompanhado de contratação de executivos experientes.

No começo de 2014, a empresa contratou o português Antonio Andrade, ex-diretor de ERPs da Indra, e o irlandês Brendan O'Brien, ex-SAP Irlanda, para os cargos de diretor de Serviços SAP e Arquiteto de Soluções SAP Sênior.

O Grupo Meta conta com escritórios incluindo São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Paraná.