Usuário: "Cadê o meu 4G?". Foto: flickr.com/wwward0

Agora é oficial: com cobertura em Curitiba e Porto Alegre, a Claro é a única operadora a oferecer sinal 4G na região Sul do Brasil.

Vivo e TIM anunciaram nesta terça-feira, 30, o início da cobertura 4G nas cidades que sediarão a Copa das Confederações - Brasília, Fortaleza, Recife, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Salvador – grupo que, no caso da Vivo, foi acrescido também de São Paulo.

Na semana passada, a Oi já havia anunciado o início da operação comercial no Rio de Janeiro, com as outras cinco cidades da Copa das Confederações previstas para ter o serviço comercial em maio, em uma manobra que a operadora acredita dentro das regras da Anatel e a agência reguladora, nem tanto.

Com isso, a competição no mercado de 4G no Sul deve ficar para o final do ano, pelo menos em Curitiba e Porto Alegre, cidades que receberão jogos da Copa do Mundo e, pelas regras do governo, devem ter cobertura até o final do ano das quatro operadoras.

Esse grupo também inclui Cuiabá, Manaus, Natal e, é claro, as cidades da Copa das Confederações, que também receberão jogos da Copa do Mundo, mas para as quais o prazo do governo era mais curto, encerrando hoje. Em todas as cidades, a meta estabelecida pela Anatel é 50% de cobertura.

Das quatro operadoras, a Claro foi a que lançou mais cobertura até agora. Além de Porto Alegre, Curitiba e nas seis cidades da Copa das Confederações. Além disso, a empresa tem “coberturas vitrine” em Paraty, Búzios e Campos do Jordão.

A Vivo deve lançar até o final de maio o 4G em Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul, cidades do chamado ABC paulista, excedendo um pouco mais a cobertura obrigatória imposta pelo governo.

Se a Claro tem mais cobertura geográfica no momento, também é verdade que não está oferecendo o serviço a todo gás. Hoje, a empresa opera em uma frequência limitada de 5Mhz (downstream) + 5Mhz (upstream), um quarto da banda total que a operadora tem o direito de oferecer, conforme adquirido em leilão realizado pela Anatel em junho.

Já a Vivo, que já tem um market share de 47% em banda larga móvel e mais cobertura 3G que as três concorrentes somadas, já larga com cobertura total de 20 Mhz + 20 Mhz.

“No exterior, empresas que operavam em 10 Mhz + 10 Mhz relançaram em 20 Mhz + 20 Mhz batizando o serviço de internet super rápida”, afirmou durante o lançamento em São Paulo Paulo Cesar Teixeira, diretor geral da Telefônica|Vivo, no que pode ter sido ou não uma provocação à rival Claro.

APARELHOS

Das quatro operadoras, a Vivo é que no momento tem mais aparelhos preparados para o 4G. São eles: Samsung SIII LTE; Motorola Razr HD; LG Optimus G; Nokia Lumia 820; Nokia Lumia 920, Sony Xperia ZQ e oferece também o Samsung Galaxy S IV.

A operadora, até o final de maio, colocará à disposição dez modelos de smartphones e um tablet com tecnologia 4G, adicionando ao portfólio o LG F5, Samsung Galaxy Express e o Blackberry Z10, este com foco nos clientes corporativos, além do tablet Samsung Note 10.1 4G.

A Oi segue logo atrás com o Samsung Galaxy S III LTE, Motorola RAZR HD, Nokia Lumia 820 e pelo minimodem E3276 4G Huawei.

Depois vem a TIM, com RAZR HD e LG Optimus G e a promessa de inclui nas próximas semanas o Samsung Galaxy Express, LG Optimus F5, BlackBerry Z10, e Samsung Galaxy S4

A Claro é a que tem menos aparelhos: o smartphone Motorola Razr HD, o smartphone Sony Xperia ZQ e o modem Huawei E392. O Samsung Galaxy S III está em espera.

PORTO ALEGRE

Parece que Porto Alegre está destinada a não ver competição no mercado de oferta de telefonia 4G tão cedo.

A capital gaúcha estava entre as favoritas para receber jogos da Copa das Confederações, mas acabou ficando de fora na última hora, devido ao atraso das obras do Beira Rio.

No final de março, uma medida da Vivo chegou a criar a expectativa que a operadora fosse fazer um lançamento mesmo assim.

A empresa anunciou que desativaria em abril a a frequência MMDS, utilizada pela operadora em seus serviços de TV por assinatura, abrindo caminho para a chegada da tecnologia 4G em Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo.

Foi o que acabou acontecendo no Rio de Janeiro, onde a entrada do sinal era obrigatória, e em São Paulo, onde a concentração de pessoas e poder aquisitivo faz a entrada ser um bom negócio.

Porto Alegre, além de não ser tão atrativa economicamente, tem hoje de acordo com especialistas do setor uma das legislações sobre instalação de antenas mais restritivas do país.

Há restrições de distância entre antenas, proibição de estações-base em regiões populosas e no topo de prédios, o que é uma complicação adicional para a cobertura 4G, que exige mais antenas em menos espaço.

Um novo projeto de lei tramita na Câmara de Vereadores desde abril de 2012, produzindo até agora uma série de reuniões que terminam em acordos para novas reuniões e mais pareceres técnicos.

Agora, um novo fator entrou em cena: o secretário municipal do Meio Ambiente, Luiz Fernando Záchia, foi preso nesta segunda-feira, 29, visando combater a corrupção na concessão de laudos ambientais.

A Secretária de Meio Ambiente é uma parte importante da discussão sobre as antenas na capital. Com o seu responsável preso e Câmara de Vereadores preparando uma CPI sobre o tema, é pouco provável que se aprove qualquer nova legislação.