Baguete
InícioNotícias> Apps de motoboy são os novos apps de taxi?

Tamanho da fonte:-A+A

APORTES

Apps de motoboy são os novos apps de taxi?

Leandro Souza
// quarta, 30/04/2014 11:46

Depois dos apps de taxi, o mercado de aplicações para frete também se intensifica. A Rapiddo, startup que desenvolveu um app para solicitação de motofrete, recebeu um aporte de R$ 5 milhões da Movile, multinacional brasileira especializada em aplicações móveis.

Motoboys é foco de app da Rapiddo. Foto: divulgação.


Disponível em uma aplicação web, o Rapiddo funciona como uma plataforma onde clientes podem agendar e roteirizar o serviço, além de acompanhar o status do pedido em tempo real.

O aporte servirá para apoiar a estratégia de lançamento do serviço, que contará com uma promoção especial. as primeiras 100 empresas que efetuarem cadastro no site terão 50% de desconto durante os 30 dias iniciais de utilização do serviço.

“Esse período será muito importante para compreendemos na prática as necessidades e demandas dos usuários. A partir da opinião e relatos deles, aperfeiçoaremos a nossa plataforma e, assim, difundir as recomendações sobre nosso serviço”, explica Guilherme Bonifácio, um dos fundadores da startup, ao lado de Patrick Sigrist.

Os dois empresários já contam com uma experiência prévia no mercado de apps. Ambos são sócios da Disk Cook - empresa que gerencia o delivery de 150 restaurantes de alta gastronomia em importantes capitais.

Conforme explicam os sócios, a nova companhia foi projetada após os executivos visualizarem que o senso de urgência para entrega das criações de chefs e restaurantes exclusivos na casa do cliente é o mesmo, por exemplo, de um profissional que precisa de transporte de bens, produtos ou até documentos.

Apenas em São Paulo, de acordo com o sindicato que regula o setor, existem aproximadamente 200 mil mensageiros que trabalham diariamente nas ruas da cidade. Inicialmente, a operação será realizada com 140 entregadores nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.

"Temos a ideia de expandir para outras importantes metrópoles até o final do ano, pois o serviço possui um excelente potencial de crescimento em todo País”, complementa Bonifácio.

O empresário afirma também que a companhia tem planos de disponibilizar o serviço 24 horas por dia, a partir do mês de julho. Segundo ele, a demanda existe, já que muitos imprevistos acontecem durante a noite ou madrugada.

"O consumidor poderá, por exemplo, solicitar que o entregador compre diversos produtos, ou até mesmo que leve até o aeroporto um passaporte esquecido na residência”, explica.

ESQUENTANDO A CONCORRÊNCIA

Embora conte com um aporte substancial, a Rapiddo não é a primeira a chegar neste mercado. No ano passado, a startup paulistana Loggi também lançou uma plataforma oferecendo um serviço de solicitação e gerenciamento de serviços de motoboys.

Para sua largada, a empresa recebeu um aporte de R$ 2 milhões por conta de dez investidores-anjo, entre eles Kees Koolen, COO da Uber e chairman da Booking.com, e Nicolas Gautier, da Bolt Ventures.

Com esse aquecimento, resta saber se a concorrência no acirrado mercado de transporte na capital paulista será tão violento quanto o que ocorre no mercado de apps para taxi. Empresas como EasyTaxi estão suspendendo cobranças, comprometendo sua lucratividade para conquistar clientela e desbancar a concorrência.

Segundo Tallis Gomes, CEO e fundador da Easy Taxi, a empresa parou de cobrar no Brasil e afirma que tem cacife para sangrar dinheiro no mercado brasileiro e se manter vivo depois de uma provável carnificina financeira no setor.

"Vai sobreviver quem tiver o bolso mais fundo. Não vai durar muito tempo, não", dispara Gomes.

Leandro Souza